Zubeldía vê euforia derreter e conhece 1ª turbulência no São Paulo após vexame

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – A goleada sofrida para o Vasco por 4 a 1, neste sábado (22), fez os ventos mudarem de vez no São Paulo. O técnico Luis Zubeldía vê a empolgação inicial derreter e enfrenta a primeira crise após o segundo resultado negativo consecutivo.

“Vinha tudo muito bem e se ocorre isso nessa altura do campeonato precisa servir como trampolim para crescer como time. Vejo assim. Queria crescer com vitórias, mas perdemos duas e temos que nos fortalecer como time internamente. Melhorar. E podemos fazer isso tranquilamente”, afirmou Zubeldía

O Tricolor está há quatro jogos sem vencer. A até então celebrada invencibilidade ficou para trás.

Se antes a briga estava perto do topo, o São Paulo já enxerga outra realidade. O time do MorumBis foi ao Rio de Janeiro com o intuito de voltar ao G6, mas o primeiro pelotão da competição pode abrir distância ainda maior -Flamengo, Palmeiras, Athletico-PR, Bahia e Cruzeiro entram em campo neste domingo.

A maratona em meio ao calendário e os desfalques foram pontos já citados pelo treinador. O São Paulo perdeu quatro jogadores para a Copa América -e não conta com Rafinha e Pablo Maia, lesionados, além das ausências por suspensão, como foi o caso de Alisson contra o Vasco.

“O futebol é assim. Há duas rodadas estávamos com poucos gols contra, jogando bem, lamentavelmente nos dois últimos jogos perdemos. Esse dói muito pelo resultado.”

A forma que o São Paulo atuou em São Januário foi motivo de críticas por parte da torcida. Ainda nas arquibancadas, tricolores que foram ao Rio de Janeiro protestaram contra a maneira como o time se comportou em campo.

O treinador vem realizando testes e fez mudanças no time titular para o confronto com o Cruz-Maltino. Ele escalou o zagueiro Alan Franco, o lateral Patryck e o atacante André Silva, que abriu o placar.

Na vaga de Alisson, Zubeldía escolheu Galoppo. Ele seguiu aquilo que se mostrou a tendência durante a semana de trabalho para o jogo.

O rendimento do setor à frente da zaga, que teve também Luiz Gustavo, foi abaixo do esperado. O desempenho escancarou outro ponto que Zubeldía já falou publicamente: a carência de opções de volantes.

O argentino demonstrou entender o momento, mas afirmou ver soluções. Ele ressaltou que precisa de tempo para aparar as arestar junto ao grupo e reecontrar o caminho das vitórias.

“A diferença pode ser anímica, tática, tudo pode ser solucionado. Abrimos o placar, como foi contra o Corinthians. Temos a sensação que podemos controlar melhor o tempo. Não estamos conseguindo e é uma tarefa minha junto ao elenco”, comentou.

“Necessitamos tempo. Começamos ganhando, empatando, ao contrário. Libertadores, jogos importantes. Contra todos os prognósticos aconteceu isso e temos que assumir. Ficamos felizes nos bons resultados, agora assumo como responsável. Assim é o futebol.”

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.