Diretor do Teatro Municipal de SP pede demissão - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Variedades
Diretor do Teatro Municipal de SP pede demissão
Conteúdo editorial fornecido por Estadão

José Luiz Herencia não é mais diretor geral da Fundação Teatro Municipal de São Paulo. Ele encaminhou ontem à Secretaria Municipal de Cultura seu pedido de exoneração, no qual faz alusões a "divergências pessoais", "interferências externas à instituição" e ao "embate entre visões distintas" a respeito da gestão do teatro e do "papel que ele deve exercer no panorama artístico brasileiro".

"A Fundação Theatro Municipal é um enorme complexo de formação e atuação artística, de destacada importância para a arte e a cultura no país. Divergências pessoais, interferências exteriores à instituição ou mesmo o embate entre visões distintas a respeito de sua gestão e do papel que deve exercer no panorama artístico brasileiro não podem comprometer as atividades do Municipal", diz a carta. "Não fomos nós que iniciamos essa jornada. Consolidá-la ainda é uma tarefa para o presente e para o futuro", continua o texto.

Procurado pela reportagem, Herencia não quis dar detalhes sobre as divergências que o levaram a deixar o cargo - nos bastidores, fala-se em desentendimentos com o maestro John Neschling, diretor artístico, após a decisão de fazer cortes na temporada por conta de questões orçamentárias. Ele afirmou apenas que a "Prefeitura sempre apoiou o Municipal, garantindo a regularização dos contratos com os corpos estáveis e promovendo espetáculos de excelência" e que "divergências pessoais entre a direção não podem comprometer esses avanços".

Segundo o secretário Nabil Bonduki, a decisão surpreendeu a secretaria. "Lamentamos muito a decisão dele. Nossa avaliação é de que vinha sendo realizado um bom trabalho. No seu pedido de exoneração, ele fala em divergências, mas posso garantir que não foi conosco", disse, em entrevista ao Estado. "O teatro é uma instituição complexa, com muitos atores, o que gera desgaste, claro".

Segundo o secretário, ainda não há um substituto. "Vamos estudar algumas possibilidades", completa.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.