Vacinas para Covid chegam ao Brasil após falta de estoques

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O primeiro lote de vacinas atualizadas da Covid chegou no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, na manhã desta quinta-feira (2). Os imunizantes são da Moderna e foram adquiridos após concorrência com a Pfizer.

Procurado, o Ministério da Saúde afirmou que divulgará a estratégia da campanha de vacinação em breve.

Segundo a Moderna, serão cerca de 40 voos ao longo do mês para trazer as 12,5 milhões de doses adquiridas pelo Ministério da Saúde. Hoje, chegaram ao país 1,25 milhão.

A vacina possui tecnologia para proteger contra a sublinhagem XBB.1.5 do coronavírus, que tem a replicação mais veloz até o momento, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A primeira disputa de empresas por um contrato de imunizantes atrasou a campanha nacional de vacinação contra a Covid, planejada para acontecer no último mês de abril.

A secretária de Vigilância em Saúde, Ethel Maciel, disse em entrevista anterior ao jornal Folha de S.Paulo que o registro da vacina da Moderna embaralhou a compra, uma vez que antes não havia concorrência -até então só a Pfizer detinha os registros para o modelo que a Saúde buscava.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou em dezembro de 2023 o uso no Brasil da vacina da Pfizer para a variante XBB. Em março, concedeu o mesmo aval para o imunizante da Moderna.

Ainda segundo ela, o ministério começou a preparar uma compra emergencial de vacinas no começo de 2024. As propostas das empresas foram entregues no começo de março.

Em fevereiro, Maciel escreveu no X (ex-Twitter) que a vacina adaptada à variante XBB chegaria ao Brasil no mês seguinte. Em março, a ministra Nísia Trindade prometeu começar a vacinar grupos prioritários em abril.

O imunizante, porém, só foi comprado no dia 19 de abril e o plano passou a ser abrir a vacinação dos grupos prioritários neste mês de maio.

Sem novos repasses de doses da Saúde, o município do Rio de Janeiro avisou à população que não há vacinas disponíveis para pessoas com mais de 12 anos. Os governos do Rio Grande do Sul e do Maranhão também afirmaram que estão sem imunizantes para este público para entregar aos municípios.

Ethel havia confirmado que o ministério não tinha mais doses da vacina bivalente, atualizada para as variantes da Covid, no estoque.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.