Tragédia com as enchentes no Rio Grande do Sul soma 151 mortos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – As fortes chuvas do Rio Grande do Sul causaram ao menos 151 mortes, de acordo com boletins divulgados desta quinta-feira (16). O número pode aumentar nos próximos dias, já que ainda há 104 desaparecidos.

As mortes ocorrem em 44 cidades, conforme a Defesa Civil, e são 806 feridos.

No total, 458 municípios foram afetados, sendo que 77.199 pessoas estão desabrigadas e 540.192 ficaram desalojadas, conforme boletim divulgado no início da noite desta quinta.

Conforme o governo do Rio Grande do Sul, 76.620 pessoas foram resgatadas.

Até a esta quinta, cerca de 243 mil endereços continuavam com o fornecimento de energia elétrica interrompido. Outros 129.977 seguiam sem abastecimento de água. As informações são do governo do estado.

Os serviços de telefonia e internet da Claro e da Tim estão normalizados, mas os da Vivo continuam sem funcionar em cinco municípios.

As aulas foram suspensas nas 2.338 escolas da rede estadual e mais de 378 mil alunos foram impactados. Nesta quinta, eram 1.058 escolas afetadas, 552 danificadas e 89 servindo de abrigo.

A tragédia tem sido comparada ao furacão Katrina, que em 2005 destruiu a região metropolitana de Nova Orleans, na Lousiana (EUA), atingiu outros quatro estados norte-americanos e causou mais de mil mortes.

Profissionais de saúde apontam semelhanças entre as duas tragédias, como falta de prevenção de desastres naturais e inexistência de uma coordenação centralizada de decisões. Colapso nos hospitais, dificuldade de equipes de saúde chegarem aos locais de trabalho e desabastecimento de medicamentos e outros insumos são outras semelhanças apontadas.

SITUAÇÃO NO RS APÓS AS CHUVAS

– 151 mortes

– 104 desaparecidos

– 806 feridos

– 77.199 desabrigados (quem teve a casa destruída e precisa de abrigo do poder público)

– 540.192 desalojados (quem teve que deixar sua casa, temporária ou definitivamente, e não precisa necessariamente de um abrigo público –pode ter ido para casa de parentes, por exemplo)

– 2.281.830 pessoas afetadas no estado

O nível do lago Guaíba, em Porto Alegre (RS), ficou abaixo dos 5 metros pela primeira vez desde segunda-feira (13), de acordo com medição realizada no início da manhã desta quinta-feira. O nível chegou a 4,86 metros às 17h15, no cais Mauá.

Segundo o IPH (Instituto de Pesquisas Hidráulicas) da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), o nível do lago deve diminuir lentamente nos próximos dias, ficando acima dos 4 metros durante a semana.

O pico até o momento foi registrado há uma semana, quando o lago subiu para a faixa de 5,3 metros.

Segundo o Painel Informativo da Prefeitura de Porto Alegre, os eventos climáticos de maio deste ano no Rio Grande do Sul superaram qualquer registro histórico e impactaram milhões de pessoas.

O IPH recomenda a manutenção de atenção às áreas de risco, mesmo onde houve redução da inundação, e ações imediatas para restabelecimento da infraestrutura e manutenção de serviços essenciais como o saneamento básico.

Apesar de o lago estar acima da cota de inundação (3 m no Centro), a Prefeitura de Porto Alegre planeja a limpeza da cidade. Em uma primeira etapa, os trabalhos serão realizados nos 21 bairros mais atingidos pela enchente e incluirão raspagem e remoção de terra e lodo, lavagem das ruas e avenidas, recolhimento de resíduos e entulhos como móveis inutilizados pelas águas.

Vinte equipes começarão a limpeza, à medida que as águas baixarem. A previsão é de contratação emergencial de 55 equipamentos, entre caminhões, carretas, pás carregadeiras e escavadeiras hidráulicas.

A prefeitura informou, em postagem nas redes sociais, que vai precisar de equipamentos e ajuda voluntária, além da estrutura e equipes própria.

SAIBA A DIFERENÇA DOS TERMOS

– Afetado: Qualquer pessoa que tenha sido atingida ou prejudicada por um desastre, como feridos, desalojados, desabrigados e pessoas que perderam sua fonte de renda

– Desalojado: Pessoa que foi obrigada a abandonar temporária ou definitivamente sua habitação, em função de evacuações preventivas, destruição ou avaria grave, decorrentes do desastre, e que, não necessariamente, carece de abrigo provido pelo sistema

– Desabrigado: Desalojado ou pessoa cuja habitação foi afetada por dano ou ameaça de dano e que necessita de abrigo provido pelo Estado

_Fonte: Glossário de Defesa Civil_

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.