Vitória promove ações educativas sobre a andada do caranguejo - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Vitória promove ações educativas sobre a andada do caranguejo
Publicado por Redação VitóriaNews
Andada é o período de reprodução dos caranguejos, quando machos e fêmeas saem de suas tocas e andam pelo manguezal para acasalamento. Foto: Marcos Sales/PMV

Técnicos da Gerência de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Vitória (Semmam) realizam, neste sábado (20), a partir das 8h30, na feira do bairro Goiabeiras, uma abordagem de educação e sensibilização sobre os próximos períodos de andada do caranguejo-uçá. A terceira e a quarta andadas serão, respectivamente, de 27 de fevereiro a 5 de março e de 28 de março a 3 de abril.

As ações também serão realizadas junto a servidores da Prefeitura de Vitória, associações de moradores e estabelecimentos comerciais. Também haverá afixação de cartazes em locais específicos e nos ônibus da capital, além de divulgação de campanha nas redes sociais da PMV. Foram instalados, ainda, dois outdoors: em Maruípe e na avenida Vitória.

A educadora ambiental Juliana Conde lembra que, na feira de Goiabeiras, existem pontos de vendas tradicionais de caranguejo, além de ser uma região que margeia grande área de manguezal. "O nosso objetivo é sensibilizar a população quanto ao que é a andada e a importância de respeitar os períodos proibitivos para preservação e conservação da espécie", afirma.

Andada

A andada é o período de reprodução dos caranguejos, quando machos e fêmeas saem de suas tocas e andam pelo manguezal para acasalamento e liberação de ovos. Isso ocorre de janeiro a abril, durante as semanas de lua cheia ou nova. Nesse período, estão proibidos captura, manutenção em cativeiro, transporte, beneficiamento, industrialização, armazenamento e comercialização do caranguejo-uçá em todo o Espírito Santo.

Abordagens

 

A gerente de Educação Ambiental, Juliana Sardinha, lembra que, no último período de andada (de 28 de janeiro a 3 de fevereiro), houve abordagens educativas e afixação de cartazes em mais de 100 espaços, como estabelecimentos comerciais e equipamentos públicos.

"As atividades educativas relacionadas às andadas continuarão sendo desenvolvidas até abril, quando ocorre o último período de proibição. Paralelo a isso, o projeto de Educação Ambiental em áreas de manguezal, o 'Mangueando na Educação', é desenvolvido ao longo de todo o ano com instituições escolares e comunidades", destaca.

A coordenadora de Educação Ambiental, Jacirlane Carvalho, destaca as múltiplas ações de sensibilização que estão sendo realizadas pela Semmam.

"Elaboramos uma programação com abordagens na feira de Goiabeiras, ações junto a associações de moradores e estabelecimentos comerciais e uma exposição na entrada da sede da Prefeitura e outros prédios públicos", diz.

Fiscalização

Durante os períodos de andada, a Semmam reforça a fiscalização. As equipes atuam em terra e no mar, além de pontos de vendas e restaurantes. A multa para quem for flagrado cometendo crime ambiental pode variar de R$ 700 a R$ 100 mil. A proibição vale também para partes isoladas (quelas, pinças, garras ou desfiado) provenientes de qualquer local. Denúncias podem ser registradas por meio do Fala Vitória (156), do site da Prefeitura ou do aplicativo Vitória Online.

Manguezal

"O manguezal corresponde a cerca de 12% da área de Vitória, uma característica única entre as capitais do nosso País. Esse ecossistema é muito importante para o equilíbrio ecológico, por ser um local favorável ao desenvolvimento de fauna e flora. As ações têm um impacto sociocultural significativo, considerando a importância deste ecossistema para as populações tradicionais", afirma o secretário municipal de Meio Ambiente, Tarcísio Foeger.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas