Iema destaca regras de uso do arquipélago das Três Ilhas - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Iema destaca regras de uso do arquipélago das Três Ilhas
Publicado por Redação VitóriaNews
Divulgação/Iema

O Arquipélago das Três Ilhas, que faz parte da Área de Proteção Ambiental (APA) de Setiba, em Guarapari, encanta quem o visita. Como o local é uma área de proteção e tem maior fluxo de visitação no Verão e no feriado de Carnaval, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) alerta para as regras de uso do arquipélago, que ajudam a garantir que a biodiversidade presente no local continue existindo. 

Os visitantes são bem-vindos para desembarcar e conhecer as ilhas, tomar banho de mar, relaxar e curtir a tranquilidade da natureza, ou ainda praticar snorkeling ou mergulho contemplativo. Entretanto, devem respeitar as regras básicas: não pescar, não acampar, não usar fogo, seja em fogueiras ou churrasqueiras, e não deixar lixo no local. 

“É preciso que as pessoas respeitem as regras vigentes, para garantir a preservação dessa área e manter seu potencial de ecoturismo”, explica a gestora da APA, Joseany Trabach.

 

Proibição de pesca 

A área de proibição de pesca abrange o polígono que engloba as ilhas de Gurarema, Leste-Oeste, Guanchumbas, Cambaião e Quitongo, iniciando a uma distância de 100 metros de cada uma dessas ilhas. Nessa faixa, todos os tipos de pesca são proibidos, desde a pesca subaquática, pesca com linha de mão, vara ou molinete, realizadas a partir do costão rochoso ou de embarcações, incluindo a modalidade de pesque e solte. 

A intenção de restringir a pesca nessa área é garantir um espaço que sirva de criadouro natural, onde os indivíduos possam crescer, se reproduzir e repovoar tanto o Arquipélago das Três Ilhas quanto as ilhas e dos demais habitats do entorno. “Isso garante a conservação das espécies e a sustentabilidade da pesca artesanal local e das atividades de turismo ecológico sustentável, cujo principal ativo é a diversidade biológica e a beleza cênica do local”, afirma a servidora do Iema, Sandra Ribeiro. 

Para mais informações sobre o zoneamento ambiental da APA de Setiba, clique: https://iema.es.gov.br/APA_Setiba

 

Saiba quais são as atividades proibidas no Arquipélago das Três Ilhas:

- Tocar e coletar organismos marinhos;
- Pesca;
- Jogar lixo;
- Cortar a vegetação;
- Som (música) tanto nas embarcações quanto nas ilhas do arquipélago.
- Acampamento:  Corte de vegetação para abertura de clareiras para colocar as barracas de camping. Além da destruição da vegetação nativa, as clareiras favorecem a proliferação das gramíneas exóticas invasoras e a erosão do solo, que fica exposto e é carreado para o mar, especialmente quando o terreno apresenta declividade. Nas Três Ilhas, a faixa de solo é muito fina, por isso sua perda é crítica e representa um impacto significativo para o ecossistema local.
- Falta de banheiros: As pessoas devem ter consciência da falta de banheiros nas Três Ilhas, ficando proibidas as necessidades fisiológicas na unidade de conservação, pois causa mau cheiro e poluição do local.
- Uso do fogo e churrasco: Aumenta o risco de incêndio. Em janeiro de 2014, perdeu-se o controle do fogo de uma churrasqueira. Devido às rajadas de vento, toda vegetação da Ilha do Cambaião foi queimada. Com a queima da vegetação nativa, houve grande proliferação das espécies exóticas invasoras (gramineias e piteiras).
- Restos de comida: Descarte de resto de carnes e demais alimentos atrai grande quantidade de urubus, que podem estar competindo por espaço (para ninhos) com as espécies nativas.
- Pesca: A captura de grande quantidade de peixes recifais – na maioria das vezes juvenis –, já que a área é um berçário, provoca redução da população e contribui para o declínio populacional de muitas espécies.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas