Majeski quer vistoria nos equipamentos antipoluição do Complexo de Tubarão - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Majeski quer vistoria nos equipamentos antipoluição do Complexo de Tubarão
Publicado por Redação VitóriaNews
Foto: Ellen Campanharo/Ales
Enquanto o Projeto de Lei nº 328/2020, que estabelece novas Política, Normas e Diretrizes de Proteção da Qualidade do Ar Atmosférico no âmbito do Espírito Santo, segue tramitando na Assembleia Legislativa (Ales), o deputado estadual Sergio Majeski (PSB) formalizou mais uma proposição para prevenção, combate e redução das emissões de poluentes.

Os deputados estaduais aprovaram a Indicação nº 2178/2020, de autoria de Majeski ao Governo do Estado, para realização de vistoria e inspeção nas empresas instaladas na Ponta de Tubarão para verificara a eficiência operacional de equipamentos antipoluição, como precipitadores eletrostáticos e filtros de manga.

“Estações de monitoramento da qualidade do ar localizadas em Vitória registraram aumento de partículas de poluentes capazes de serem inalados, com capacidade de comprometer a saúde das pessoas. É importante identificar de onde saíram essas partículas e sanar rapidamente alguma falha no controle ou nos equipamentos. As empresas e os órgãos de controle precisam garantir que a produção e o desenvolvimento ocorram de forma sustentável e ambientalmente segura”, destaca Majeski.

De acordo com o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), em outubro estações de monitoramento da qualidade do ar localizadas em Vitória registraram a elevação da presença de partículas poluidoras inaláveis no ar, em comparação ao mês de fevereiro.

Uma das explicações pode ser a retomada do crescimento de produção das empresas, mesmo durante a pandemia, numa taxa acelerada, causando sobrecarga nos equipamentos de controle da poluição atmosférica.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas