Projeto internacional de aquicultura apresenta seus primeiros resultados - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Projeto internacional de aquicultura apresenta seus primeiros resultados
Publicado por Redação VitóriaNews
Laurindo Rodrigues/Embrapa

Mais de cem novos protótipos em aquicultura foram apresentados em reunião on line, quando pesquisadores e produtores do setor, ao redor do Atlântico, compartilharam os resultados de um ano do projeto AquaVitae, financiado pela União Europeia. Os protótipos são os primeiros resultados da colaboração realizada entre empresas e pesquisadores do setor aquícola no projeto. A Embrapa participa do consórcio por meio de quatro centros de pesquisa: Pesca e Aquicultura (Palmas-TO), Tabuleiros Costeiros (Aracajú-SE), Meio Norte (Teresina-PI) e Amazônia Ocidental (Manaus-AM). A empresa está desenvolvendo pesquisas que contemplam duas espécies de peixes de água doce (tambaqui e pirarucu), ostras e cultivo multitrófico integrado, além de temas transversais, como política e governança, economia e marketing, sensores e gestão de dados. 

Para Eric Arthur Bastos Routledge, chefe de P&D da Embrapa Pesca e Aquicultura, o balanço do primeiro ano do projeto foi positivo, principalmente pelo estabelecimento das parcerias. "Criamos uma parceria muito positiva com a Unesp, de Jaboticabal, e com a própria Nofima (Instituto de Pesquisa Norueguês de Alimentos, Pescado e Aquicultura), que é coordenadora do projeto. Sem contar com a aproximação com outros centros da Embrapa e as oportunidades de relacionamento com outras instituições que fazem parte do consórcio, mesmo que não tenhamos ações diretamente relacionadas com elas. Tudo isso facilita o estabelecimento de parcerias para projetos futuros", destaca ele. 

Philip James, coordenador do projeto e cientista do centro de pesquisa norueguês Nofima, concorda. "Acredito que o primeiro ano do AquaVitae transcorreu de forma satisfatória. As soluções de inovação serão desenvolvidas mais ainda ao longo do projeto, mas tivemos um ponto de partida excelente," diz. 

Routledge também ressalta a importância do aprendizado na gestão e entendimento de execução de um projeto com financiamento da comissão europeia, cujo método de trabalho é muito diferente do padrão brasileiro. "Sem dúvida, o saldo é muito positivo, embora a nossa primeira reunião anual tenha sido adiada pelo coronavírus. O evento teve de ser on line para compensar de alguma forma. Agora é dar sequência para alcançar os resultados nos próximos três anos", detalha ele, que não descarta a necessidade do pedido de prorrogação por conta de atrasos em experimentos, provocados pela Covid-19.

Oito milhões de euros para a aquicultura

O AquaVitae é o maior consórcio científico já realizado para estudar a aquicultura no Atlântico e no interior dos continentes banhados por esse oceano. Orçado em oito milhões de euros (equivalente a 50 milhões de reais), financiados pelo programa Horizon 2020, da União Europeia, o projeto reúne 35 parceiros da indústria de pescado e da pesquisa de 15 diferentes países espalhados por quatro continentes. No Brasil, além da Embrapa, também participam instituições de ensino reconhecidas na pesquisa aquícola, como a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), além da a empresa de aquicultura orgânica Primar Aquacultura.

O objetivo principal do projeto é aumentar a produção aquícola, por meio de pesquisas ao longo de quatro anos. "Isso se dará, principalmente, pelo desenvolvimento de novas espécies de nível trófico (alimentar) baixo, que estão na base da pirâmide alimentar, como as algas e moluscos, por exemplo", explica Lucas Torati, pesquisador da Embrapa Pesca e Aquicultura (TO), um dos coordenadores do Aquavitae no Brasil. Com isso, os cientistas pretendem trabalhar em sistemas nos quais sejam reduzidos os desperdícios com cada nível trófico utilizando resíduos de outro.

"Por exemplo, ao se colocar, em um mesmo sistema de produção, um peixe carnívoro com outro filtrador, o resíduo de ração deixado pelo carnívoro vai ser nutriente para as algas que, por sua vez, serão consumidas pelos peixes filtradores. Um sistema de produção diferente, chamado de multitrófico", ilustra Torati.

 

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas