Governo quer privatizar parques de conservação ambientais até o fim do ano - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Governo quer privatizar parques de conservação ambientais até o fim do ano
Os primeiros parques ambientais entregues à iniciativa privada devem ser Jericoacoara (CE), Lençóis Maranhenses (MA), Chapada dos Guimarães (MT) e Aparados da Serra (RS)
Publicado por Redação VitóriaNews
A Chapada dos Guimarães é um dos primeiros parques a privatizar, na lista do Ministério do Meio Ambiente. Divulgação

O governo de Jair Bolsonaro prevê colocar em concessão à iniciativa privada cerca de 20 unidades de conservação ambiental que estão sob responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade.

Os primeiros parques que devem ter administração transferida para a iniciativa privada são os parques de Jericoacoara, no Ceará; Lençóis Maranhenses, no Maranhão; Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, e Aparados da Serra, no Rio Grande do Sul. Juntas, as quatro unidades de conservação recebem cerca de 450 mil visitantes, por ano.

De acordo com informações do ministério do Meio Ambiente, e publicadas no site do jornal Estadão, o objetivo do governo é de finalizar as concessões até o final do ano.

Organizações socioambientais, como Greenpeace, são contra a medida que, para elas, são classificadas como retrocesso nas políticas de proteção ambiental no país.

Além disso, o ministério do Meio Ambiente deve rever todas as normas de criação das mais de 300 unidades de conservação ambiental com objetivo de facilitar a exploração comercial das áreas.

Este ano, o governo cortou todas as emendas parlamentares que foram direcionadas ao ministério do Meio Ambiente, previstas no orçamento federal. O ICMBio teve seus recursos cortados em mais de R$ 60 milhões e o IBAMA, em R$ 89 milhões.

X
Olá! Faça seu cadastro no VitóriaNews.
{{app_feedback}}
{{getTitulo}}
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Comentando como
{{dados_login.nome}}
Sair
{{app_feedback_comment}}
{{comentario.nome}}
{{comentario.comentario}}
Notícias Relacionadas