Em 4 anos, Anchieta descartou adequadamente mais de 51 mil litros de óleo de cozinha usado - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Em 4 anos, Anchieta descartou adequadamente mais de 51 mil litros de óleo de cozinha usado
Publicado por Redação VitóriaNews
Foto: Genoveva Azevedo/Inpa

O projeto de coleta seletiva de óleo de cozinha da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de  Anchieta, criado em 2012, apresenta um saldo positivo da destinação adequada desse resíduo, entre 2012 e 2018, cerca de 51 mil litros de óleo de cozinha usado foram destinados adequadamente para reciclagem, evitando assim o seu descarte inadequado no meio ambiente natural.

Essa iniciativa faz parte das ações do “Programa de Educação Ambiental do Município”, que desde 2012, vem trabalhando na estruturação da destinação adequada dos resíduos sólidos, através da mobilizando das escolas e população, e a implementação das logísticas necessárias, conforme determina a Lei nº 12.305/10, que institui a política nacional de resíduos sólidos.

A educadora ambiental Bernadeth Fernandes explica que inicialmente  foram implantados pontos de coleta nas escolas do município e em alguns pontos comerciais. Atualmente, além das escolas, a coleta atende toda população da zona urbana através da coleta seletiva municipal de lixo seco, realizada pela Associação de Catadores - UNIPRAN, que se tornou mais uma parceira no projeto.

“A coleta do óleo usado é feita por empresa cadastrada e parceira do projeto, estando apta, atualmente, a empresa Bioguará, que é devidamente licenciada para atividade e autorizada pelo município, para recolher e destinar o resíduo para reciclagem. Todo o óleo recolhido é enviado para a produção de biodiesel, tintas , entre outros”, ressalta Bernadeth.

Ela ainda destaca que a empresa de recolhimento paga pelo litro de óleo usado, um valor simbólico para os parceiros do projeto que pode ser em espécie ou em materiais de limpeza. Nas escolas, o dinheiro arrecadado é investido em projetos escolares, e na Associação UNIPRAN ajuda os associados trabalhadores. Assim, a população pode escolher para onde enviar o seu óleo usado e contribuir com uma das frentes parceiras e envolvidas.

Para quem quiser contribuir com o projeto e fazer o descarte do óleo de forma correta, pode ser enviar pelos próprios alunos ou entregar na escola mais próxima, durante toda a semana. Na UNIPRAN, o óleo deve ser entregue no carro da coleta seletiva, de acordo com o cronograma de coleta do lixo seco, nos bairros, ou ainda entregue diretamente na Associação e segunda à sexta-feira.

Vale lembrar que para o descarte adequado do resíduo, o óleo usado deve armazenado em garrafa pet devidamente fechada ou lacrada com a tampa, para que não haja derramamento durante o transporte, causando poluição.

A secretária de Meio Ambiente, Jéssica Martins, frisa que além do trabalho de Educação Ambiental e da coleta realizada no âmbito desse projeto, o município possui legislação específica, Lei nº 681/2011, que determina que todo o estabelecimento que faça uso, ou manuseio do óleo vegetal para produção de refeições, implante programa de coleta e destinação adequada, sendo proibido seu descarte no meio ambiente natural, ou em locais que venham a poluir e degradar.

“Muitos estabelecimentos já realizam e cumprem a legislação, destinando corretamente os seus resíduos de óleo, resultado de um longo trabalho de mobilização que foi realizado junto aos mesmos”, conta a secretária.

É importante destacar que destinar o óleo usado de forma adequada evita a poluição do solo e da água, além de evitar problemas de proliferação de vetores e enchentes.


Além disso, o óleo de cozinha jogado na pia e nos ralos provoca a impermeabilização das fossas sépticas e entupimento das redes de esgoto e drenagem, o que com as fortes chuvas causa os alagamentos e as enchentes em muitos lugares.

X
Olá! Faça seu cadastro no VitóriaNews.
{{app_feedback}}
{{getTitulo}}
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Comentando como
{{dados_login.nome}}
Sair
{{app_feedback_comment}}
{{comentario.nome}}
{{comentario.comentario}}
Notícias Relacionadas