Rússia bombardeia bases para caças F-16 na Ucrânia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Ministério da Defesa da Rússia anunciou ter bombardeado nesta quinta (27) bases aéreas destinadas a receber os caças F-16 prometidos pelo Ocidente para a Ucrânia. Foram empregados nas ações drones suicidas, mísseis de cruzeiro Kalibr e hipersônicos Kinjal.

A pasta não detalhou onde seriam as bases, mas os relatos online dos canais de alerta ucranianos ao longo da madrugada apontaram para a região de Khmelnistki, no oeste —mais distante da frente de batalha que vai do norte ao sul em forma de arco no leste do país.

Kiev não comentou a natureza dos estragos, mas disse ter abatido todos os 4 Kalibr, 23 drones Shahed-136 e 1 Kh-59 lançados, deixando passar ao menos 1 Kinjal. Não há como confirmar a eficácia de lado a lado.

Até aqui, Holanda, Dinamarca, Noruega e Bélgica prometeram montar uma frota com seus modelos mais obsoletos do F-16, de todo modo um reforço para a incerta força à disposição de Volodimir Zelenski hoje.

Os dinamarqueses criaram a chamada “coalizão dos caças”, prometendo 19 de seus 44 F-16. Completam o time a Bélgica, com 30 de seus 53 aviões, a Noruega, com 22 de suas unidades já aposentadas, e a Holanda, com 24 dos 42 modelos que ainda voam pelo país. Todos eles estão trocando seus caças por avançados F-35.

É um processo lento, que gera pedidos excruciantes de Zelenski por mais velocidade no treinamento de pilotos e mecânicos, além do envio das aeronaves em si. Elas foram anunciadas no ano passado, mas até agora só há a promessa de que o primeiro avião chegue às forças de Kiev neste verão do hemisfério norte.

Para chegar à frota total prometida, serão muitos anos, o que coloca em dúvida o impacto do avião na guerra. Enquanto isso, os russos aparentemente resolveram se adiantar em relação à infraestrutura —houve especulação de que os caças ficariam baseados na Polônia para evitar ataques, mas isso colocaria um país da Otan (aliança militar ocidental) diretamente na guerra, com escalada imprevisível.

Esse risco tem modulado a relação do Kremlin com o Ocidente desde a invasão promovida por Vladimir Putin em fevereiro de 2022. Nesta quinta, o tambor da ameaça atômicas voltou a ser tocado em Moscou pelo vice-chanceler Serguei Riabkov, um dos mais respeitados diplomatas do país, responsável por negociações de controle de armas nucleares.

Ele disse à agência Tass que a revisão em curso da doutrina de emprego de armas nucleares russa se faz “à luz da experiência na Ucrânia”, sugerindo a prevista facilitação do uso de modelos táticos, de pouca potência, em campo de batalha.

De forma mais teatral, afirmou que “os políticos do Ocidente não poderão se esconder em bunkers no caso de uma guerra nuclear”, voltando à retórica oficial de Moscou de que Estados Unidos e aliados estão esticando a corda ao fornecer armas mais poderosas e autorizando Kiev a empregá-las contra território russo.

Tal atrito ganhou um novo pico no domingo (23), quando um ataque com mísseis americanos contra a Crimeia atingiu uma praia com bombas de fragmentação, matando 4 pessoas e ferindo 151. O Kremlin prometeu retaliar contra os EUA, e Riabkov disse de forma críptica que “isso já está acontecendo”.

Ele não elaborou o que seria tal ação, embora a semana tenha sido inundada de rumores em redes sociais de que caças MiG–31 passaram a interceptar drones americanos de reconhecimento como os usados na ação da Crimeia sobre o mar Negro.

O canal de Telegram Fighterbomber, ligado aos meios militares russos, inclusive descreveu o modo de ação em um suposto incidente, no qual o caça acelerou a velocidade duas vezes acima da do som ao lado de um RQ-4 Global Hawk, desorientando o drone e forçando ou sua retirado, ou o derrubando.

Já houve incidentes antes sobre o mar Negro e na Síria, mas tanto os EUA quanto a Rússia baixaram a temperatura dos episódios para evitar uma escalada. Agora, o Pentágono negou quaisquer esbarrões na região, e os russos não fizeram comentários.

No campo político, o Kremlin afirmou também nesta quinta que pode mudar o status do seu já péssimo relacionamento com países do Ocidente.

“A questão de rebaixar o nível das relações diplomáticas é uma prática padrão para Estados que enfrentam manifestações hostis. Devido ao crescente envolvimento do Ocidente no conflito sobre a Ucrânia, a Rússia não pode deixar de considerar várias opções”, disse o porta-voz de Putin, Dmitri Peskov.

Já Zelenski voou para a Bruxelas, onde assinou três acordos de cooperação de segurança e ajuda econômica com a União Europeia. Ele tem colhido tais anúncios com mais frequência desde que o apoio ocidental a Kiev voltou a crescer, após meses de indefinição encerrados com o temor do avanço russo em diversas frentes neste ano.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.