sexta-feira, 20 maio, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

Visto por 54 mil pessoas, ‘Aquarius’ tem 2ª melhor estreia nacional do ano

GUILHERME GENESTRETI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O filme “Aquarius”, segundo longa-metragem de Kleber Mendonça Filho (“O Som ao Redor”), reuniu cerca de 54 mil espectadores e arrecadou R$ 880.150 no fim de semana desde sua estreia, na última quinta-feira (1º).

Trata-se da segunda melhor estreia do ano, ficando atrás apenas da bíblica “Os Dez Mandamentos” (que vendeu 3 milhões de ingressos na primeira semana, mas teve diversas salas com lugares vazios).

Para se ter uma ideia, o longa “Que Horas Ela Volta?”, de Anna Muylaert, fez 44 mil de público: ambos os filmes são produções autorais com pretensões comerciais. O longa anterior de Kleber, “O Som ao Redor”, fez menos do que o dobro (94 mil) em todo o seu tempo em cartaz.

Considerando a ocupação, “Aquarius” foi a melhor estreia da semana, com média de 600 pessoas por sala.

Envolto em polêmicas, “Aquarius” entrou em cartaz com uma classificação indicativa de 16 anos,após recurso da distribuidora do longa. Na primeira avaliação do Ministério da Justiça, a pasta determinou que o filme não seria recomendável a menores de 18 anos, mas reconsiderou a decisão.

“Aquarius” também é alvo de controvérsia na comissão que escolherá qual filme nacional representará o Brasil no Oscar.

No início de agosto, a coluna “Sem Legenda”, da Folha de S.Paulo, noticiou a controvérsia torno da nomeação do crítico Marcos Petrucelli para compor o grupo.

Desde que “Aquarius” estreou no Festival de Cannes, em maio, seu diretor é alvo de postagens ofensivas por parte de Petrucelli. Durante o festival francês, o cineasta e a equipe do filme empunharam cartazes contra o impeachment de Dilma Rousseff com os seguintes dizeres: “Um golpe está acontecendo no Brasil”.

Petrucelli escreveu que “vergonha é o mínimo que se pode dizer” do ato.

A nomeação do crítico gerou no meio cinematográfico temores de que o governo Temer estivesse retaliando “Aquarius” pelo protesto anti-impeachment.

Dois dos membros dessa comissão pediram para sair: a atriz Ingra Lyberato e o cineasta Guilherme Fiúza Zenha. E foram substituídos pelos diretores Carla Camurati e Bruno Barreto.

Gabriel Mascaro (“Boi Neon”), Anna Muylaert (“Mãe Só Há Uma”) e Aly Muritiba (“Para Minha Amada Morta”) desistiram de inscrever seus longas para análise da comissão.

Petrucelli que sua contrariedade se limita às posições políticas do diretor e que isso não vai afetar seu julgamento na comissão.

“Aquarius” é um dos 16 filmes brasileiros inscritos para tentar a vaga do país no Oscar.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas