sexta-feira, 24 junho, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

‘Praticamente certo’, diz França sobre Alckmin ser vice do Lula

O ex-governador de São Paulo Márcio França (PSB) disse nesta segunda-feira, 14, que Geraldo Alckmin (Sem partido) está “praticamente certo” como vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Alckmin e Lula voltaram a se encontrar na última sexta-feira, 11, na casa do ex-ministro Fernando Haddad (PT). Foi o terceiro encontro entre os antigos adversários políticos desde que as negociações para formação de chapa na disputa ao Planalto se iniciaram. De acordo com França, Alckmin também deverá se filiar ao PSB.

“Alckmin praticamente está certo da história de vice com o Lula. E eu diria que, com relação ao partido, 99% de chance dele estar no PSB. É o desejo dele”, afirmou o ex-governador em entrevista à BandNews TV. Segundo ele, a aliança é um aceno do ex-presidente para “outro público”. “Você escolhe coligação a fim de trazer um público que não é exatamente o seu, falar com para outro público, e é isso que eu imagino que também passe pela cabeça do Lula”, disse.

A filiação do ex-tucano no PSB deverá ocorrer em março, de acordo com França. Ele explica que a janela para filiação partidária se encerra no dia 1º de abril, enquanto as federações partidárias podem ser formalizadas até 31 de maio. Isso impede que Alckmin espere o acordo final entre PSB e PT, que discutem a formação de uma federação.

Atualmente, discordâncias de nível estadual são um dos principais empecilhos para o acordo entre as siglas. No último sábado, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), recebeu o pré-candidato à presidência Sérgio Moro (Podemos), o que gerou um “mal-estar” entre a cúpula petista. Já em São Paulo, o PT pretende lançar Haddad ao Palácio dos Bandeirantes, enquanto o PSB não pretende abrir mão da candidatura de França.

Para definir quem será candidato em São Paulo, França citou um pré-acordo entre PT e PSB. Segundo ele, os partidos terão “prerrogativa de indicação” nos estados que já governam – Rio Grande no Norte, Bahia, Piauí e Ceará, no caso do PT; Espírito Santo, Maranhão e Pernambuco, no caso do PSB. Nos estados onde os partidos não chegarem a um consenso, será realizada uma pesquisa entre maio e junho.

“Eu suponho que posso ser competitivo. E o Haddad disputou a presidência da república, é um nome famoso, uma pessoa de muita confiança do presidente Lula, tem muitos méritos, ele também quer ser. Então ficou combinado de se fazer uma pesquisa em maio, junho, e quem tiver melhor situado terá preferência na escolha. Parece que é uma escolha justa, coloca todos em pé de igualdade”, afirmou França.

O pessebista acredita que o governador de São Paulo João Doria (PSDB) deverá abandonar a pré-candidatura à presidência e disputar a reeleição, o que dificultaria o pleito. “É a cara dele recuar para disputar o governo, os números dele nacionais são muito ruins”, avaliou.

Redação, O Estado de S.Paulo
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas