Economia disse à Pfizer em agosto que compra de vacinas não cabia ao ministério - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Política
Economia disse à Pfizer em agosto que compra de vacinas não cabia ao ministério
Publicado por Estadão Conteúdo

O Ministério da Economia confirmou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid que, em 7 de agosto do ano passado, representantes da Pasta estiveram reunidos com executivos da Pfizer para discutir os avanços da companhia na busca de uma vacina contra a covid-19. Na ocasião, o ministério informou à Pfizer que não era responsável pela decisão de compra de vacinas.

A informação consta de um despacho encaminhado pelo ministério à CPI em resposta a solicitação de documentos relacionados à aquisição de vacinas pelo Brasil. Nele, a Pasta relata que "a empresa procurou o ministério para informar sobre a sua tecnologia para desenvolver a produção da vacina contra a covid-19, o que incluiu o estágio de desenvolvimento (testes clínicos em curso) e tecnologia inovadora envolvida".

"A empresa foi informada na reunião que não cabe ao Ministério da Economia decidir sobre a compra de determinada vacina, pois se trata de uma decisão de Saúde Pública", acrescentou a Pasta.

Na última semana, durante audiência da CPI da Covid, o gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, já havia citado a reunião com os representantes do Ministério da Economia em agosto. Este contato, no entanto, teve caráter preliminar, porque na ocasião a Pfizer não havia feito uma oferta formal ao governo brasileiro.

Na CPI, Murillo afirmou que a primeira proposta para venda de vacina ao Brasil foi feita dias depois, em 14 de agosto. Uma segunda proposta foi apresentada em 26 de agosto, com validade de 15 dias. Passado o prazo, o governo brasileiro não rejeitou nem aceitou a oferta. Nada foi feito. Uma das propostas da Pfizer era de venda de 30 milhões de doses e outra de 70 milhões de doses, a serem entregues em 2020 e 2021. O preço oferecido pela empresa era de US$ 10 (cerca de R$ 53, na atual taxa de câmbio) por dose de vacina.

O passo seguinte da Pfizer na negociação foi enviar, em 12 de setembro, uma carta ao governo brasileiro se oferecendo para um acordo. Na última quarta-feira (12), o ex-secretário de Comunicação Social da Presidência Fábio Wajngarten admitiu à CPI da Covid que a carta na qual a Pfizer se dispunha a negociar vacinas contra o novo coronavírus foi enviada ao governo em setembro de 2020. Segundo ele, a carta ficou dois meses sem resposta. Além do então ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, outras autoridades receberam a carta, como o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.