Majeski diz que educação pública está mais próxima de rever investimento bilionário - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Política
Majeski diz que educação pública está mais próxima de rever investimento bilionário
STF julgou inconstitucional computar dentro dos 25% obrigatórios o pagamento a aposentados e pensionistas
Publicado por Redação VitóriaNews
Foto: Leonardo Tononi

A prática, também realizada pelo Governo do Espírito Santo desde 2011, foi denunciada pelo deputado estadual Sergio Majeski (PSB) à Procuradoria Geral da República (PGR), originando a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5691 que está em tramitação desde 2017, aguardando julgamento da relatora ministra Rosa Weber.

“É a terceira decisão nos últimos tempos que reforça a irregularidade praticada pela administração estadual. Já são cerca de três anos que a ministra Rosa Weber está analisando a situação do Espírito Santo. O recurso é bilionário e faz muita falta para fortalecer a educação pública. Será possível, por exemplo, melhorar o salário dos professores, climatizar salas de aula e ampliar os investimentos para garantir melhores condições de aprendizado aos alunos”, destaca Majeski. 

De 2011 a 2019, foram R$ 5,212 bilhões, e de janeiro a abril de 2020, são mais R$ 131,500 milhões em pagamentos de inativos, computados como Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE), em desacordo com o Manual dos Demonstrativos Fiscais do Tesouro Nacional e com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB).

Decisão do STF

A decisão recente tomada pelo Plenário do STF paralisa prática adotada em Alagoas.  A relatora ministra Cármen Lúcia ressaltou que a LDB não inclui no piso da educação as despesas previdenciárias com inativos e pensionistas, pois esses gastos não visam melhoria da qualidade ou expansão da área da educação. A LDB veda a inclusão da remuneração paga aos profissionais da educação que estejam em desvio de função ou exercendo atividade que não contribua diretamente para o ensino como despesas em educação.

Diante disso, a ministra reforçou o entendimento pela impossibilidade de se incluir o pagamento de proventos de inativos no conceito de gastos com MDE e o voto dela foi acompanhado, à unanimidade, pelos demais ministros do STF.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas