Deputado Sérgio Majeski se defende de denúncia feita pelo MPES - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Política
Deputado Sérgio Majeski se defende de denúncia feita pelo MPES
Publicado por Redação VitóriaNews
Reprodução
O deputado Sergio Majeski (PSB) teve espaço nesta segunda-feira (11) para se defender de denúncia apresentada pelo Ministério Público Estadual (MPES) à justiça na qual o órgão atribui ao deputado as práticas de improbidade administrativa e de enriquecimento ilícito. Majeski afirmou que a denúncia teve por origem um processo interno na Assembleia Legislativa que apurou uso indevido de servidor de seu gabinete e concluiu que não havia ilícito nenhum.

De acordo com o parlamentar, em 2018 uma denúncia feita à Assembleia Legislativa apontou que ele teria feito uso indevido de assessor jurídico do seu gabinete parlamentar.

“O benefício próprio em causa foram duas ações na justiça, uma sobre fake news contra o deputado Sergio Majeski e a outra em relação a irregularidades no processo seletivo de professores em DT (designação temporária)”, afirmou o pessebista. Segundo ele, a denúncia foi apurada pela Corregedoria da Casa, inclusive com parecer da Procuradoria da Casa: “O então corregedor concluiu que não houve ilícito”, disse.

Segundo Majeski, apesar disso e contrariando as normas regimentais da Assembleia, o processo não foi arquivado quando da mudança de legislatura, em 2019. Ele questionou o fato do Ministério Público ter conhecimento de um processo que corria em sigilo na Assembleia e disse se tratar de perseguição, de “ação coordenada do MPES e de pessoas de dentro da Ales”. Conforme relatou, entre os documentos enviados ao MPES estavam “documentos pessoais da esposa do servidor e de seus filhos menores”.

“Causa espanto e até um certo asco a forma com que tudo isso foi conduzido. Claramente trata-se de uma perseguição política a minha pessoa”, afirmou. O deputado disse que dará transparência a todos os autos do processo para que a sociedade possa acompanhar.

O presidente da Assembleia Legislativa, Erick Musso, solidarizou-se com o parlamentar e informou que determinaria a abertura de processo administrativo para apurar os fatos relacionados à conduta da Ales no caso.
X
Olá! Faça seu cadastro no VitóriaNews.
{{app_feedback}}
{{getTitulo}}
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Comentando como
{{dados_login.nome}}
Sair
{{app_feedback_comment}}
{{comentario.nome}}
{{comentario.comentario}}
Notícias Relacionadas