Rigoni propõe uso de tecnologia em sala de aula para inclusão de alunos com deficiência - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Política
Rigoni propõe uso de tecnologia em sala de aula para inclusão de alunos com deficiência
Parlamentar capixaba participou de reunião na Secretaria de Modalidades Especializadas do MEC
Publicado por Redação VitóriaNews
Reprodução

O deputado federal Felipe Rigoni vai apresentar à Secretaria de Modalidades Especializadas do Ministério da Educação (Semesp-MEC) propostas para incorporação de tecnologias assistivas em sala de aula. O termo se refere a dispositivos e recursos tecnológicos que facilitem a inclusão e a independência de pessoas com deficiência.

Rigoni esteve no MEC nesta semana, acompanhado da deputada Tabata Amaral e demais membros da Comissão Externa de Acompanhamento do MEC, da qual é relator. O encontro contou com a presença de lideranças da Pasta e marcou a última visita técnica da Comissão a uma Secretaria do MEC.

“Boa parte das ações propostas pela Semesp faz muito sentido e trará resultados positivos. Eles toparam discutir um plano de incorporação de tecnologias assistivas e me convidaram a contribuir com a implantação deste tipo de ferramenta na educação brasileira”, revelou Rigoni.

Outros pontos tratados na reunião foram o Plano Nacional de Educação Especial e a figura do auxiliar de apoio educacional. “No modelo de educação inclusiva, é preciso ter um profissional em sala de aula para dar assistência ao aluno com deficiência. Como esta função não está regulamentada, cada Estado faz de um jeito, todos fazem mal, e não há cursos para formação específica”, critica o parlamentar.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas