Petrobras retira refinarias e gasoduto de carteira de venda de ativos após acordo com Cade

RIO DE JANEIRO, RJ E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (22) que está retirando oficialmente de sua carteira de desinvestimentos cinco refinarias e sua fatia majoritária na TBG (Transportadora do Gasoduto Bolívia-Brasil).

A decisão de não vender os ativos já havia sido tomada pela gestão petista, mas foi oficializada após acordo com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) que encerra termo de compromisso para aumentar a competição nos segmentos de gás e refino.

Em troca, a estatal se comprometeu com medidas para aumentar a transparência de suas operações nesses segmentos, que teoricamente garantiriam ao Cade um maior poder de avaliar eventuais casos de abuso de poder econômico.

A petroleira deverá oferecer às refinarias independentes um contrato com garantia de oferta de volume mínimo. Só haverá obrigação de compra e venda em caso de acordo quanto ao preço.

A medida permitirá que as contratantes busquem alternativas de fornecimento com a segurança de que a Petrobras venderá o produto caso necessário. O mecanismo diminuiria, assim, o poder de pressão da estatal.

Também deverão ser criados mecanismos para que o Cade possa verificar se a estatal não está praticando preços discriminatórios.

Além disso, a empresa terá que divulgar diretrizes não discriminatórias para entregas de petróleo por via marítima a qualquer refinaria independente no território nacional.

O acordo com o órgão de defesa da concorrência foi anunciado na segunda (20).

Sob a vigência do termo de compromisso, a Petrobras vendeu as refinarias de Mataripe, na Bahia, e do Amazonas, em Manaus, além das duas principais redes de gasodutos brasileiras.

As vendas dos ativos durante o governo Jair Bolsonaro (PL) foram alvo de oposição de petistas na época. Ainda em 2020, o ex-presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, então no Senado, disse à Folha de S.Paulo que o governo vinha usando estratégias para driblar o Congresso e privatizar operações prioritárias.

Prates entrou com a missão de suspender os processos de venda e iniciou renegociações para retorno da estatal à refinaria baiana, hoje controlada pelo fundo árabe Mubadala. Indicada para substituí-lo, Magda Chambriard recebeu a missão de negociar também a refinaria de Manaus.

Além de renegociar as unidades vendidas, a gestão petista decidiu investir em seu parque de refino, retomando obras na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e no Polo GasLub, antigo Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

A Abreu e Lima estava na carteira de desinvestimentos da Petrobras e será retirada, junto com as refinarias do Paraná, de Minas Gerais, do Rio Grande do Sul e com a fábrica de lubrificantes do Ceará.

Na área de gás, o acordo para manutenção do controle sobre a TBG também prevê condições concorrenciais. A escolha dos conselheiros da companhia deverá ser assessorada por um headhunter independente. Ele providenciará uma lista tríplice de candidatos que observem os requisitos estabelecidos no acordo com o Cade.

“Caso a eleição de qualquer conselheiro independente indicado pela Petrobras tenha descumprido os termos, o Cade poderá determinar a aplicação de multa de até R$ 150 mil, a revogação da nomeação e o reinício do processo”, explicou, em nota, a autarquia.

A diretoria comercial da TBG também terá independência em relação à Petrobras. A unidade da transportadora de gás não poderá pedir a cessão de funcionários da Petrobras ou de suas subsidiárias integrais.

A revisão dos termos de compromisso do Cade recebeu críticas no mercado. Para Marcus D’Elia, da Leggio Consultoria, “é um retrocesso na busca pelo livre mercado no refino nacional”.

“Parece contraditório o posicionamento do Cade, uma vez que existe uma avaliação rigorosa sobre o impacto na competição de projetos de distribuidoras de combustíveis, quando há investimento em novos ativos”, afirma.

“No entanto, no mercado de refino onde a Petrobras possui cerca de 80% da produção e abertamente comunica que busca negociar a participação em refinarias de concorrentes, não parece haver preocupação com a competição.”

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.