Movimento associativista e o apoio às vítimas das chuvas - Vitória News /* */
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Opinião Pública
Movimento associativista e o apoio às vítimas das chuvas
Egidio Malanquini
Estamos acompanhando, com atenção e pesar, os efeitos das fortes chuvas no Espírito Santo, que afetaram vários municípios do Sul do Estado, como Iconha, Alfredo Chaves, Vargem Alta, Castelo e Cachoeiro de Itapemirim, totalizando 12 cidades, com registros de mortos e milhares de pessoas desabrigadas e desalojadas.
Como cidadão, meus pensamentos e orações estão com cada uma dessas famílias, sensibilizado que estou pela tragédia. Como associativista, que pauta sua vida no preceito de união de esforços pelo bem coletivo, acredito que é hora da sociedade agir para minimizar a dor e recompor o bem-estar desses capixabas. Penso que, mais do que nunca, nosso ideal tem que estar a serviço da população neste momento.
É hora de nos unirmos, de trabalharmos juntos, de somar ações. É hora de termos um objetivo comum e atuar em prol dele. É hora de mostrarmos nossa solidariedade e assumirmos a responsabilidade de mudar a realidade atual. É nessa hora que qualquer diferença de pensamento deve ceder lugar para a convergência por uma causa maior: uma ação pró-ativa para melhorar a situação daqueles que hoje sofrem perdas de ordem emocional e material.
Em décadas de atuação associativista, acumulei muito aprendizado, dentre os quais estão que a união é uma força propulsora para o alcance dos resultados e que a verdadeira liderança não se faz com imposição, mas sim com equilíbrio e sabedoria.
São esses fatores que vão nos ajudar a olhar para quem realmente precisa e colocar tais necessidades acima de quaisquer outros fatores. Precisamos ampliar a visão e olhar quem precisa. Neste momento, temos que ser solidários e mostrar que uma verdadeira sociedade se constrói com empatia e com interesse ativo no bem-estar do ser humano.
Exercitemos, então, nossa solidariedade e nos dediquemos ao próximo. Qualquer discussão de outros aspectos que fujam à realidade das pessoas que hoje precisam de apoio devem ser secundárias e não disputar nossa atenção. Convido a todos do movimento associativista que se dediquem a colocar em prática o que perseguimos: o bem-estar da coletividade.
Estamos à disposição de todos que quiserem entrar nesta jornada de ajuda aos irmãos do sul. #SomosAssociativistas