Pandemia e o comportamento das crianças - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Opinião Pública
Pandemia e o comportamento das crianças
Clay Brites
Pesquisa realizada em agosto de 2020, pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em parceria com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), mostrou a influência da pandemia nas crianças. Cerca de 88% dos pediatras relataram que os pacientes apresentaram alterações comportamentais e 75% oscilações de humor.

Os efeitos da pandemia causam três vertentes. A primeira é a ansiedade, medo e insegurança vendo a movimentação da família e noticiário sobre a doença. A segunda é a mudança da rotina. Antes ela ia à escola, brincava e corria, agora fica em casa o dia inteiro. Ela também fica mais na TV, computador e internet. Além disso, as tecnologias já têm demonstrado em artigos que modificam o comportamento infantil. Terceira, quando se tem um transtorno de desenvolvimento, neuropsiquiátrico ou alguma condição médica, pode-se piorar a situação.

Os pais devem conversar explicando o que está acontecendo e que é algo passageiro. Eles também devem colocar a questão de uma forma racional, tranquila e disponibilizando-se para receber as angústias do filho.

Outra preocupação é que os pais estão adiando ou não vacinando. Eles não precisam ter medo, devem ir seguindo as recomendações de proteção e o distanciamento. Não vacinar é mais prejudicial. A vacinação leva o sistema imunológico a criar uma reação contra o agente daquela vacina. E existe a proteção cruzada, que leva a proteção daquela doença e uma carga de proteção para outros agentes.

A pesquisa também mostrou um dado positivo, 69% das mães continuam amamentando na mesma intensidade. A amamentação deve ser à vontade, de acordo com a solicitação da criança. Não dá para programar nem cadenciar as mamadas porque ela alimenta e sacia a sede.