‘O Mel É Mais Doce que o Sangue’ defende a arte ancestral e de invenção

FOLHAPRESS – Em seu novo trabalho, André Guerreiro Lopes troca a eternidade do teatro pela fugacidade do cinema. Mas traz para o cinema muito de seu trabalho teatral, já notado e notado. E também a poesia, já que o filme é diretamente inspirado pelas palavras de García Lorca.

“O Mel É Mais Doce que o Sangue”, que será exibido em sessão especial no Cinesesc nesta terça-feira (4), começa por afirmar a força da imagem: vemos um cubo mágico, com uma esfera no centro, cujo equilíbrio é rompido pelo braço que a invade.

Da mesma forma, logo a seguir, uma mulher (Helena Ignez), índia branca, começa a arrastar cidade afora uma enorme traquitana que tem um quê de câmera, outro tanto de projetor, ou de ferro-velho perdido e juntado para fabricar esse objeto estranho.

É um pouco dentro dessa máquina que muitas coisas se passam -ou se deixam ver. Ali, pessoas encostam o olho para ver coisas inesperadas, incríveis. Ali também aparece, grande, o olho do espectador: o cine-olho.

Essa mulher sai da floresta, da natureza, e de certo modo busca afirmá-la. É o lado “zen” de Lopes que aparece: a água, as árvores, o voo das aves. A base de tudo, enfim.

De uma base, o filme pula para outra -os indígenas. Primeiro na cidade que parece um paliteiro, com seus infinitos arranha-céus, depois em uma aldeia, os indígenas não precisam fazer nada, exceto cantar e dançar para sabermos que são eles os guardiões da natureza, ou até a esperança final da natureza, do ponto de vista do filme.

É bom convir que esse é um filme feito durante a pandemia, portanto durante o governo Bolsonaro, em que a extinção dos indígenas era uma intenção enunciada pelo seu líder com meias-palavras quase inteiras.

O propósito inicial, portanto, faz encontrar a natureza e a resistência –a sobrevivência, em suma. A poesia de Lorca, aliás, é de conflito. Suave, mas de conflito. Um pouco como o filme até certo ponto. Também não é poesia de paz, porque os tempos em que viveu e foi assassinado também não eram.

O “zen” de Lopes cede um tanto ao tom guerreiro de “Titus/Macbeth”, tragédia sobre tragédia em que não raro o sangue é, senão mais doce, mais saboroso do que o mel, e a destruição do outro mais desejável que

qualquer outra coisa.

Uma montagem que aconteceu logo antes da pandemia, no centro do governo anterior, portanto, no centro do “viva la muerte” e de certo modo precede as cenas em locais de prisões e execuções políticas (ou mais abertamente políticas que o habitual).

Esse crescendo, em que o desejo de preservação e resistência deriva para um prenúncio de tragédia. Lá está, registrado, a mulher do início andando na contramão de uma manifestação verde-amarela.

O ímpeto experimental não se perde, nem o poético, embora possa lembrar aqueles filmes do começo dos anos 1970, dos filmes “marginais” e seu espírito inventivo.

Aqui, no entanto, não estamos na margem: a política, a poética, o teatro, o cinema, mel e sangue, tudo surge discriminado e, no entanto, tudo cabe dentro da traquitana que carrega a mulher, como se ali estivessem séculos de existência, cinco séculos ou mais -da floresta e suas formigas às avenidas marginais cheias de asfalto e movimento.

Aqui parece claro que o filme aponta não tanto para a política, para o imediato, mas para a cultura. A assustadora cena da mulher marchando na contracorrente da manifestação verde-amarela (Plínio Salgado vive!) serve para lembrar, mais do que a escultura-homenagem a Lorca, a guerra cultural em que este filme se insere com força, como a reivindicar que a cultura só pode ser derrotada pela arte, seja a dos ancestrais mestres da natureza, seja pela invenção.

A cultura tenta matar a exceção que lhe resiste, a arte -disse Godard. Mas também é possível pensar de outro modo: a arte pode, sutilmente, enfrentar a cultura. Especialmente a cultura do sangue. Aquelas aplicadas formigas que carregam fragmentos de grama para um mesmo lugar podem ser uma metáfora desse trabalho penoso dos minúsculos trabalhadores da invenção contra um mundo enorme e hostil.

É preciso lembrar, no entanto, que boa parte das palavras de Lorca se perde, talvez por efeito da mixagem, talvez pelo tom baixo das frases. Não seria absurdo exibir o filme com legendas em português.

O MEL É MAIS DOCE QUE O SANGUE

Quando Ter. (4), às 20h30

Onde Cinesesc – r. Augusta, 2075, São Paulo

Classificação 14 anos

Elenco Helena Ignez, Djin Sganzerla, Michele Matalon

Produção Brasil, 2023

Direção André Guerreiro Lopes

Avaliação Muito bom

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.