Morre Magdalena Arraes, primeira-dama de Pernambuco por três vezes

RECIFE, PE (FOLHAPRESS) – Magdalena Arraes, viúva do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, morreu, na manhã desta quinta-feira (11), aos 95 anos. A morte foi por causas naturais, segundo familiares. A ex-primeira-dama estava com Alzheimer.

Magdalena morreu na sua residência, na zona norte do Recife. Ela foi primeira-dama de Pernambuco em três oportunidades, nas ocasiões em que Miguel Arraes governou o estado.

Segunda esposa do político, falecido em agosto de 2005, teve com ele dois filhos: Mariana e Pedro Arraes.

Era também madrasta dos filhos de Miguel Arraes com sua primeira esposa, entre eles a ex-ministra do Tribunal de Contas da União, Ana Arraes, mãe do ex-governador Eduardo Campos (1965-2014), que tinha Magdalena como uma avó. O prefeito do Recife, João Campos (PSB), filho de Eduardo, também desenvolveu laços afetivos com a ex-primeira-dama e a considerava uma bisavó.

“Hoje é um daqueles dias difíceis. Se despedir da minha bisavó Magdalena aperta o peito e nos faz lembrar de tanta coisa, de tanto exemplo, do tanto que nos ensinou. Ela sempre foi um pilar de força em nossa família, uma mulher altiva, sensível e firme, sobretudo nos momentos mais difíceis. Liderou processos e inspirou transformações que até hoje nos influenciam”, disse João Campos, por meio de nota.

Também em nota, a família Arraes disse que Magdalena “foi um exemplo de amor e dedicação, deixando um legado de bondade e generosidade”. “Sua partida deixa uma saudade imensa em todos que tiveram a honra de conhecê-la e conviver com ela.”

Magdalena Arraes nasceu em Fortaleza. Aos oito anos, mudou-se para o Rio de Janeiro e lá cursou letras na então Universidade Católica Brasileira. Ela era especializada em latim e foi professora do idioma na capital fluminense. Também especializou-se em grego e português.

Conheceu Miguel Arraes, então prefeito do Recife, durante uma viagem a Paris. O ex-governador era viúvo de Célia de Souza Leão, morta em 1961.

Arraes e Magdalena se casaram em 1962, um ano antes de ele assumir o governo do estado.

Magdalena foi a única mulher a ser primeira-dama de Pernambuco por três vezes: de 1963 a 1964, de 1987 a 1990 e de 1995 a 1998. O primeiro período foi mais curto, já que Arraes foi deposto do cargo em razão do golpe militar de 1964. Em 1965, ele foi para o exílio na Argélia, país do norte da África, de onde voltou apenas em 1979, após a Lei da Anistia.

A ex-deputada federal Marília Arraes (Solidariedade) lembrou o período em que teve de sair do país.

“Agradeço a Deus pelos caminhos dela e de meu avô terem se cruzado e, com isso, meu pai e tios tiveram uma família unida e forte, em meio a tantas adversidades que atravessaram, com golpe militar, prisão, tantos anos de exílio, volta ao Brasil, vitórias e derrotas, altos e baixos. Sem você, vovó Mada, não seríamos quem somos hoje!”, disse.

O velório será nesta sexta-feira (12) no Cemitério de Santo Amaro, na área central do Recife, a partir das 8h. O sepultamento está previsto para as 11h.

Compartilhe: