Mais de 80 mil pessoas já fugiram de Rafah após ofensiva de Israel, diz ONU

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Mais de 80 mil pessoas fugiram de Rafah desde que Israel começou a avançar, no início da semana, sobre essa cidade superlotada no sul da Faixa de Gaza, afirmou a UNRWA, agência da ONU para refugiados palestinos.

“As pessoas enfrentam mais um deslocamento forçado na Faixa de Gaza”, escreveu o órgão na rede social X. “O impacto sobre essas famílias é insuportável. Nenhum lugar é seguro. Precisamos de um cessar-fogo agora.”

A operação na região começou na última segunda-feira (6), quando Tel Aviv orientou que cerca de 100 mil pessoas saíssem da parte leste de Rafah, em um prenúncio da invasão terrestre. Na véspera, um ataque com foguetes reivindicado pelo braço armado do Hamas na passagem de Kerem Shalom, perto da cidade, havia deixado quatro soldados israelenses mortos e vários feridos.

Como retaliação, Israel fechou o posto e tomou outro, o de Rafah, deixando apenas uma passagem aberta para a entrada de ajuda humanitária —a de Erez, no norte. Na quarta (8), Tel Aviv afirmou ter reaberto Kerem Shalom, mas foi contestado por organizações internacionais.

De acordo com o escritório para a coordenação de assuntos humanitários da ONU (Ocha, na sigla em inglês), nenhum caminhão com ajuda humanitária entrou no território entre segunda e quarta.

“Sem combustível, os caminhões não conseguem mover assistência humanitária crítica, as bombas de água param de funcionar e os hospitais restantes fecham. Isso acontece em um momento em que estamos correndo contra o tempo para responder às imensas necessidades humanitárias em toda a Faixa de Gaza”, afirmou Philippe Lazzarini, comissário-geral da UNRWA, pela rede social X, nesta quarta.

Segundo membros do Hamas e moradores, as forças israelenses concentraram tanques perto de áreas urbanas de Rafah nesta quinta. Na véspera, as Forças Armadas de Israel divulgaram um vídeo que mostrava dezenas de tanques cruzando a fronteira e entrando na cidade.

Durante meses, Israel ordenou que a população se retirasse do norte de Gaza, alvo da maior parte dos bombardeios. Assim, centenas de milhares de pessoas se deslocaram em direção ao sul, para Rafah, que antes da guerra tinha cerca de 280 mil palestinos.

A ameaça de um ataque deixa a população com medo de passar por outra nakba, como ficou conhecido o êxodo de 700 mil palestinos que foram permanentemente expulsos de suas casas na criação de Israel, em 1948. Na época, alguns deles fugiram para países árabes vizinhos, como Jordânia, Síria e Líbano, e outros foram para Gaza. Israel contesta a versão de que eles foram expulsos à força.

“Costumava ouvir histórias da nakba de meu pai, que ouviu essas histórias de meu avô. Agora, quando penso sobre isso e comparo, acho que o que aconteceu em 1948 não se compara à brutalidade de nossa nakba atual”, diz Mohammad Emad à agência de notícias Reuters por meio de um aplicativo de mensagens.

Desde que deixou a Cidade de Gaza, no norte, em outubro, o jovem de 22 anos já se mudou quatro vezes com sua família. Agora, eles deixam Rafah para a cidade central de Deir Al-Balah.

Um Zaki, mãe de seis filhos, também saiu de Rafah na sua terceira mudança desde que fugiu com sua família da Cidade de Gaza. Os motoristas cobraram pelas viagens 1.500 shekels —20 vezes o preço cobrado antes da guerra—, e ela ainda precisou comprar uma tenda. “A guerra criou algumas pessoas gananciosas”, disse ela à Reuters.

Após sete meses de guerra, grande parte de Gaza encontra-se em ruínas. De acordo com relatório do Ocha, mais de 60% dos edifícios residenciais do território foram danificados, e pelo menos três igrejas e 243 mesquitas foram destruídas.

Até agora, quase 35 mil pessoas foram mortas em Gaza devido à guerra, segundo contagem das autoridades de saúde do território. Quem sobrevive aos bombardeios sofre com a falta de insumos causada pelos bloqueios de Israel. Segundo o Ocha, aproximadamente 30% das crianças com menos de dois anos em Gaza têm desnutrição aguda, e mais da metade da população passa fome.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.