Leilão de arroz foi adiado após alta de preços no Mercosul, diz ministro da Agricultura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, disse que o governo adiou o leilão de arroz anunciado pelo presidente Lula (PT) após um aumento de preços no Mercosul. A afirmação foi feita em entrevista ao G1.

De acordo com Fávaro, a ideia era comprar 100 mil toneladas, mas pelos preços praticados nos países do bloco só seria possível adquirir 70 mil toneladas.

Em audiência da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, o ministro disse que produtores do Mercosul aumentaram em 30% o preço do arroz após o anúncio da compra.

“O descasamento momentâneo dá margem a especulação. É triste dizer, mas tem gente querendo ganhar dinheiro excessivo nas costas da tragédia. Não é culpa dos produtores, é dos especuladores”, afirmou.

Ao saber do aumento de preços, Fávaro se reuniu com o presidente Lula, que decidiu adiar o leilão e retirar o IPI (imposto sobre importação) do cereal. Não há nova data marcada. “Pode ser lá na frente, não precisa ser agora”, disse Fávaro.

Questionado, o Ministério da Agricultura disse que “está realizando as tratativas necessárias para evitar qualquer especulação do preço do arroz, para a estabilidade do preço do produto nos mercados do país”.

“As negociações estão contando com a participação de diversas partes do setor produtivo, como associações, cooperativas e produtores. O objetivo é o enfrentamento às consequências econômicas das cheias no Rio Grande do Sul”, acrescentou.

A preocupação do governo vem do fato do estado ser o maior produtor nacional, respondendo por cerca de 70% do que é consumido no Brasil. Com as enchentes no estado, houve perda de parte da produção.

Com a diminuição da oferta, o medo é de um aumento de preços, que impacta na inflação. O anúncio do leilão foi feito em 7 de maio e a compra estava prevista para essa terça (22).

O aumento do valor pelo Mercosul se deu após o governo zerar o imposto de importação para o alimento como forma de contornar o aumento dos preços causado pelas chuvas na região sul.

Ela foi aprovada nessa segunda-feira (20) em reunião do Comitê Executivo de Gestão da Camex (Câmara de Comércio Exterior).

A proposta inclui dois tipos de arroz não parboilizados e um tipo polido/brunido na Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum (Letec).

“Ao zerar as tarifas, buscamos evitar problemas de desabastecimento ou de aumento do preço do produto no Brasil, por causa da redução de oferta”, disse na ocasião Geraldo Alckmin (PSB), vice-presidente e chefe do MDIC (Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços).

A redução a zero das tarifas vale a até 31 de dezembro deste ano.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.