Israel volta a bombardear Gaza e permanece em alerta por ameaça do Irã

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – As forças israelenses voltaram a bombardear a Faixa de Gaza nesta sexta-feira (12), segundo informações divulgadas pelo Hamas. A ação se dá em um momento de tensão elevada, depois que o Irã ameaçou responder ao ataque contra seu consulado na Síria.

O Irã acusa Israel de ser responsável pelo bombardeio contra seu consulado na capital da Síria em 1º de abril. A ação matou sete integrantes da Guarda Revolucionária, incluindo dois generais.

O governo americano alertou para o perigo de um ataque iraniano ou de grupos vinculados a Teerã. O general Michael Erik Kurilla, que está à frente do Comando Central dos Estados Unidos para o Oriente Médio (Centcom), viajou a Israel.

Em meio a temor de ataque, países alertaram cidadãos para evitarem viagens ao Irã e a Israel. Reino Unido, Índia, Rússia, Canadá e Austrália emitiram alertas até “novo aviso.

Washington restringiu os deslocamentos de seus funcionários em Israel devido à ameaça. Já a companhia aérea alemã Lufthansa suspendeu os voos com pouso e decolagem de Teerã.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Hossein Amir Abdollahian, defendeu a “necessidade” de Teerã responder após o bombardeio contra seu consulado, em conversas com seus homólogos da Alemanha, Austrália e Reino Unido. O líder supremo do Irã –arqui-inimigo israelense e aliado do Hamas–, Ali Khamenei, reiterou na quarta-feira (10) que Israel “será punido”.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, conversou na quinta-feira com o chefe do Pentágono, Lloyd Austin, sobre a preparação para enfrentar um eventual ataque iraniano. “Se o Irã atacar a partir de seu território, Israel responderá e atacará o Irã”, advertiu o chanceler israelense, Israel Katz.

A Casa Branca advertiu o Irã a não atacar Israel e o secretário de Estado, Antony Blinken, pediu aos homólogos da China, Turquia e Arábia Saudita que tentem dissuadir Teerã.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reiterou o seu apoio veemente a Israel, apesar das tensões entre o governante democrata e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, por divergências sobre a gestão da guerra em Gaza.

Enquanto isso, prossegue a ofensiva israelense em resposta ao ataque do Hamas de 7 de outubro, sem direito à trégua para Gaza. O cerco mantém a população palestina à beira da fome, segundo a ONU.

O Hamas informou que dezenas de casas e prédios residenciais foram atacados com explosivos no campo de refugiados de Nuseirat e que dezenas de bombardeios atingiram Al Zahra, Al Mughraqa e Al Maghazi, no centro da Faixa de Gaza.

No bairro de Al Daraj, 25 pessoas morreram em um bombardeio que atingiu a casa de uma família. “A situação é terrível e continua piorando. Os bombardeios não param”, disse Imad Abu Shawish, de 39 anos.

Ao mesmo tempo, Catar, Egito e Estados Unidos –países que atuam como mediadores para alcançar uma trégua– aguardam as respostas de Israel e do Hamas à proposta mais recente para uma interrupção dos combates. O grupo ainda pede a libertação de reféns israelenses mantidos em cativeiro em Gaza.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.