Imagens mostram momento em que vítima começa a passar mal após peeling de fenol

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – A dona da clínica onde Henrique Chagas morreu após ser submetido a um peeling de fenol diz que o ocorrido foi uma “fatalidade”. Ela foi entrevistada pelo Fantástico.

Natália Becker disse que Henrique estava bem após o procedimento. Imagens da sala onde o paciente estava mostram a mulher oferecendo água a ele e perguntando: “Dá uma tontura, né?”.

“Ele não reclamou de dor, até falou que estava com uma sensação gostosa no rosto. Foi essa palavra que ele falou”, afirmou Natália.

Quatro minutos após finalizar a aplicação de fenol, Henrique começa a passar mal. “Ele agarrou o meu braço, arregalou os olhos, travou a respiração e ali ele já saiu fora de si”, contou o namorado dele, Marcelo Camargo. Natália e uma assistente entram na sala tentam reanimar Henrique com orientações do Samu pelo telefone.

O resgate chega cerca de 20 minutos depois, às 13h26. Natália sai da sala e não é mais vista na clínica. Às 14h03, os profissionais do Samu encerram os trabalhos de socorro.

Natália diz que ficou traumatizada. “Foram cenas bem fortes. Nunca fiz nada para prejudicar ninguém. Foi uma fatalidade”. Ela diz que estudou o peeling de fenol por um curso online de cerca de um mês.

A influencer relatou que faz o procedimento desde dezembro e nunca teve problemas. Mas uma ex-paciente contou ao Fantástico que ficou cinco meses com a pele machucada após o peeling de fenol. “Eu me iludi porque ela falou que em 10 dias estaria ótima a minha pele”, disse ela, que falou sob a condição de anonimato. “Minha pele ela começou a ficar com pus e sangrava toda noite”.

Natália cobrava R$ 4.500 pelo peeling de fenol e se apresentava como esteticista. Ela pediu para interromper a entrevista ao Fantástico após ser questionada sobre a sua formação e as substâncias que usava no procedimento.

PEELING DE FENOL É INVASIVO E DEVE SER FEITO EM AMBINETE HOSPITALAR

Especialistas dizem que o peeling de fenol em todo o rosto só pode ser feito em centros cirúrgicos. Segundo funcionários da clínica de Natália, o procedimento era realizado corriqueiramente no local.

Associação Nacional dos Esteticistas e Cosmetólogos diz que Natália é uma pessoa leiga e não pode ser considerada esteticista. O Conselho Federal de Medicina explica que o peeling de fenol é uma intervenção invasiva e reações imprevisíveis ocorrem com frequência.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o procedimento é invasivo e agressivo, por isso, deve ser realizado por médicos dermatologistas habilitados, com o paciente anestesiado e com monitoramento cardíaco. “Isso porque há um risco de toxicidade e possíveis arritmias causadas pela dor intensa provocada pelo método”.

A causa da morte de Henrique Chagas ainda é investigada pela polícia, que aguarda exames toxicológico e anatomopatológico para saber se o uso do fenol provocou, de fato, o óbito do empresário. Natália Becker foi indiciada por homicídio com dolo eventual, quando não há intenção, mas se assume o risco de matar.

O marido dela, que também é sócio da clínica, disse à polícia que o peeling de fenol é um procedimento simples e que não exige exames prévios. O preparo, segundo ele, acontece no dia, com a limpeza do rosto e aplicação de anestésico antes do fenol. Por ser ácida, a substância provoca descamação da pele.

A defesa de Natália diz que aguarda o laudo dos exames que determinarão a causa da morte do empresário. Na semana passada, a clínica foi interditada e multada pela Vigilância Sanitária Municipal por exercer procedimentos em desacordo com a legislação vigente.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.