segunda-feira, 15 agosto, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

Parlamento do Sri Lanka oficializa ex-premiê como novo presidente

O ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, foi oficializado como novo presidente do país nesta quarta-feira, 20, após a eleição no Parlamento que definiu o substituto de Gotabaya Rajapaksa, que renunciou no dia 14 de julho, depois de fugir do país em meio a uma forte crise política e econômica. Wickremesinghe, que também foi alvo dos protestos populares que derrubaram o governo, chegando a prometer renunciar ao cargo em meio aos tumultos, vinha exercendo a presidência interinamente desde então.

De acordo com os resultados oficiais, Wickremesinghe, que foi primeiro-ministro seis vezes, recebeu 134 votos, contra 82 de seu principal rival Dullas Alahapperuma e apenas três do esquerdista Anura Dissanayake. “Agora, o tempo para nossas divisões acabou. Estou pronto para conversar com todos vocês”, disse o novo presidente do Sri Lanka.

Aos 73 anos, Wickremesinghe assume o governo com o objetivo de liderar o país até 2024, cumprindo o mandato de seu antecessor. Seus principais desafios serão a retomada das negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre um possível resgate financeiro e a resistência popular a seu nome.

Visto como parte do governo Rajapaksa – e, portanto, da crise política e econômica que provocou os massivos protestos vistos no país na última semana – Wickremesinghe foi alvo das manifestações em Colombo. No dia 9 de julho, ele chegou a anunciar que renunciaria ao cargo para conter os protestos populares quando seu gabinete foi tomado pelos manifestantes.

O líder governista recuou da decisão dias depois, após assumir interinamente a presidência após a fuga do presidente Gotabaya Rajapaksa para as Maldivas, decretando estado de emergência para conter os manifestantes, que voltaram a sair às ruas para protestar.

“Os manifestantes querem impedir que eu cumpra minhas responsabilidades como presidente interino. Não podemos permitir que os fascistas tomem o controle”, afirmou na época.

Protestos pós-eleição

Na eleição no Parlamento, Wickremesinghe foi apoiado pelo partido do presidente deposto, o Sri Lanka Podujana Peramuna (SLPP). Sua candidatura, porém, irritou manifestantes que pedem a sua demissão desde que assumiu o cargo de primeiro-ministro e ameaçaram protestos se aprovassem o escolhido.

“O país inteiro não queria que Ranil fosse eleito, porque ele é uma pessoa que foi rejeitada. Não chegou ao Parlamento graças à voto dos cingaleses, mas porque Gotabaya Rajapaksa queria dar uma chance”, disse Mohamed Farook, um dos manifestantes do acampamento Galle Park em Colombo, epicentro dos protestos.

O país insular sofre com a falta de medicamentos, alimentos e combustível, causada em parte pela grande endividamento, políticas governamentais errôneas e o efeito da pandemia no turismo.

Esta situação deu origem a protestos em toda a ilha, desde o final de março, quando milhares de pessoas começaram a sair para as ruas para pedir a demissão de Rajapaksa. (Com agências internacionais).

Redação
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas