domingo, 26 junho, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

‘Vai ficar na minha senzala’, diz médico que acorrentou funcionário em Goiás

Um homem negro de 37 anos teve os pés, os pulsos e o pescoço acorrentado pelo médico Márcio Antônio Souza Júnior, na zona rural de Goiás, município a 140 quilômetros de Goiânia.

No vídeo divulgado na internet pelo próprio acusado, ele ironiza: “Ai ó, falei para estudar, ele não quer… E vai ficar na minha senzala”. Com a repercussão do caso, foi aberto um inquérito para investigar o crime de racismo.

O responsável pela apuração é o delegado da cidade, Gustavo Cabral. Segundo a Polícia Civil de Goiás, o registro foi compartilhado nesta terça-feira, 15, na página pessoal do médico. Em uma tentativa de se retratar, Márcio Antônio fez um novo vídeo justificando que o episódio se tratava de uma brincadeira: “e aí, camarão! O povo está enchendo o saco. O que você fala disso?”, o homem responde: “tem nada de escravidão, não gente.”

No mesmo dia, um terceiro vídeo foi gravado pelo médico: “Gostaria de pedir desculpas se alguém se sentiu ofendido, foi uma encenação teatral”. A polícia informou que o homem acorrentado é funcionário do médico há três meses.

COM A PALAVRA, O MÉDICO MÁRCIO ANTÔNIO SOUZA JUNIOR

A reportagem do Estadão tentou entrar em contato com o suspeito, mas até a publicação deste texto não houve retorno. O espaço está aberto para manifestação

Jayanne Rodrigues
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas