No Sudeste, Espírito Santo tem os mais altos índices de Zika e Chikungunya - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Geral
No Sudeste, Espírito Santo tem os mais altos índices de Zika e Chikungunya
Publicado por Redação VitóriaNews

Com a maior incidência de Zika vírus e Chikungunya no Sudeste - segundo o Ministério da Saúde -, o Espírito Santo tem o desafio de controlar as arboviroses provocadas pelo Aedes aegypti antes da chegada do verão, quando os casos aumentam drasticamente. Segundo dados da secretaria de Saúde, até 26 de novembro foram 13.558 registros de Dengue, 2.924 de Chikungunya e 860 de Zika. Os números continuam avançando. As doenças mataram três pessoas no estado. O pior cenário é do município de Linhares, com incidência média, respectivamente, de 112,1 casos por 100 mil habitantes.

Com o início da temporada das chuvas, o perigo da multiplicação dos Aedes aegypti é enorme. Isso porque, após aproximadamente 15h da postura, os ovos dos mosquitos conseguem resistir a longos períodos de baixa umidade, podendo ficar até 450 dias no seco. A situação se torna ainda mais perigosa diante de um aparente cenário de subnotificação, provocado até mesmo pela gravidade da pandemia da Covid-19.

Apesar de o estado promover ações de sanitização e utilizar métodos tradicionais de combate, o trabalho não tem efeitos positivos. Os números estão aí para comprovar. Campanhas de conscientização e aspersão de veneno são os caminhos básicos, mas sem resultados permanentes a curto prazo. Pesquisas com material genético e estudo do ambiente são algumas alternativas. A biotecnologia já tem respostas assertivas, comprovadas e sem agredir o ambiente ou expor a comunidade a riscos.

O Projeto Controle Natural de Vetores, desenvolvido pela Forrest Brasil Tecnologia, com o trabalho de cientistas brasileiros e israelenses, se mostrou eficiente. Em Ortigueira (PR), numa parceria com a empresa Klabin e o município, a ação já comprovou seus melhores resultados no Paraná. Implantado em novembro de 2020, em seis meses, a redução foi de 92% da população local de mosquitos. O número de pessoas doentes também caiu, de 120 para 4, quase 97%. Não foram registradas mortes.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas