Tribunal argentino autoriza ex-vice de Kirchner a cumprir prisão domiciliar - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Geral
Tribunal argentino autoriza ex-vice de Kirchner a cumprir prisão domiciliar
Publicado por Estadão Conteúdo

Um tribunal argentino autorizou o ex-vice-presidente do país, Amado Boudou, a cumprir prisão domiciliar em meio à pandemia do novo coronavírus. Boudou foi vice-presidente e ministro da Economia durante os mandatos de Cristina Kirchner, entre 2007 e 2015. Ele foi condenado em 2018 pela compra irregular de ações da empresa que fabricava de papel moeda para o governo.

"Amado já está em casa, chegou à noite (de segunda-feira). Está feliz em estar com sua mulher e filhos nestes dias tão difíceis", declarou o advogado de Boudou, Alejandro Rúa.

O ex-vice-presidente vive com sua mulher, a ex-deputada mexicana, Mónica García de la Fuente, com quem tem filhos gêmeos de dois anos. Até a segunda, ele cumpria pena de 5 anos e 10 meses de prisão em uma prisão situada a 100 Km de Buenos Aires. Agora, passará a ser monitorado por meio de uma tornozeleira eletrônica.

O tribunal concedeu a prisão domiciliar por considerar que houve "falta de firmeza da condenação imposta a Boudou e o contexto da emergência sanitária mundial pela pandemia do coronavírus."

Boudou foi condenado em 2008 por corrupção passiva e negociações incompatíveis com a função pública quando era ministro da Economia (2009-2011). Ele foi considerado culpado por ter comprado, usando um testa-de-ferro, a imprensa Ciccone, empresa historicamente contratada pelo Estado para fabricar dinheiro e documentos.

A decisão foi confirmada em 2019 por uma câmara federal, mas a defesa recorreu ao Supremo Tribunal, que ainda não foi proferiu decisão, portanto a sentença não é definitiva.
X
Olá! Faça seu cadastro no VitóriaNews.
{{app_feedback}}
{{getTitulo}}
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Comentando como
{{dados_login.nome}}
Sair
{{app_feedback_comment}}
{{comentario.nome}}
{{comentario.comentario}}