Estudo traça perfil da população em situação de rua em Vitória - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Geral
Estudo traça perfil da população em situação de rua em Vitória
Publicado por Redação VitóriaNews
O Albergue para Migrantes faz parte da Rede de Atendimento da Escola da Vida, que oferece uma série de serviços para população em situação de rua. Foto: Carlos Antolini/PMV
 

Levantamento realizado pela Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) traçou o perfil dos moradores em situação de rua no município. O documento serve de base para direcionar o trabalho que já vem sendo realizado por meio de oito equipamentos disponíveis pela prefeitura para esse público.

De 1º abril a 31 de maio deste ano, foram atendidas 703 pessoas pela Rede de Serviços da Escola da Vida, que incluem abordagem social, hospedagem noturna, abrigo e Centro Pop. Deste total, cerca de 70% estão integrados e acompanhados nos equipamentos oferecidos sistematicamente pela Assistência.

E de acordo com o diagnóstico, 78% deles são negros e pardos. O restante, 17% dos entrevistados, são brancos. Os homens também são maioria nessa situação. Ao todo, são 77% do sexo masculino contra 23% do feminino, sendo a maior parte com idade entre 30 e 39 anos.

O levantamento revelou ainda que 47% dos entrevistados não souberam dizer o tempo que estão nas ruas, mas 22% disseram que vivem nessa situação entre 1 e 5 anos. Do total de pessoas que responderam, apenas 27% delas são de Vitória. O restante vem de outros municípios e Estados.

Ocupação

Entre os moradores em situação de rua existem guardador de carro, catador, pessoas que vivem na mercado informal, mas a maioria delas está desempregada. De acordo com a pesquisa, são cerca de 225 sem trabalho.

Álcool e crack são as principais drogas utilizadas por essas pessoas nas ruas. Em seguida vem cigarro, maconha, cocaína e tíner. E é justamente a dependência química o principal motivo para estarem nas ruas. Depois dele, vem conflitos, desemprego, violência, ameaça e negligência.

Outro dado importante é que na avaliação da equipe da Semas foram identificados que muitos possuem família, mas romperam o vínculo por ser uma relação conflituosa e fragilizada.

Abordagem

Equipes da Secretaria de Assistência Social (Semas) realizam diariamente o monitoramento e o acompanhamento da população em situação de rua em todo o município. Durante o período de janeiro a maio, foram realizadas 2,3 mil abordagens, a maioria no Centro (592). Em seguida vem Jardim da Penha (298), Jucutuquara (265), Praia do Canto (208) e Vila Rubim (188).

 

A secretária municipal de Assistência Social, Iohana Kroehling, reforça a importância de oferecer os serviços para essa população, já que nesses equipamentos são trabalhadas ações que vão permitir a reinserção social e familiar.

"É importante destacar que, das 703 pessoas apontadas no estudo, aproximadamente 70% são acompanhadas pela Rede de Serviços da Escola da Vida. Quanto aos demais, ainda não aderiram aos serviços ofertados continuamente pela prefeitura", enfatiza.

A secretária complementa: "Lembramos que não podemos obrigar ninguem a sair da rua. Trabalhamos para criação de vinculos de confiança e superação, onde as pessoas em situação de rua percebam a importância da reinserção familiar e social, para superação da condição atual".

Serviços

Para atender essa população, a Semas possui uma rede de atendimento. Denominada Escola da Vida, ela contempla uma série de serviços, como abordagem, Centro Pop, Albergue para Migrante, Hospedagem Noturna, Casas Lares, Abrigo, Casa República, alojamento para famílias, Consultório na Rua e Centro de Atenção Psicossocial (Caps).

Saiba mais:

Serviço de Abordagem Social (Seas)
O Seas monitora diariamente as ruas de Vitória, identificando e abordando adultos, crianças e adolescentes em situação de rua. O serviço encaminha essas pessoas para os espaços de acolhida e outros serviços da rede de assistência social da Prefeitura, onde recebem atendimento psicossocial e alimentação e participam de palestras socioeducativas e oficinas. O serviço pode ser acionado pelo Fala Vitória 156 e funciona de domingo a sábado, incluindo feriados.

Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População de Rua (Centro-Pop)
Pessoas em situação de rua são acolhidas, recebem kit de higiene pessoal, podem tomar banho e se alimentar. Os usuários também têm atendimento psicossocial e participam de atividades socioeducativas. Com capacidade para atender 100 pessoas por dia, funciona de segunda a domingo, das 7 às 18 horas, na avenida Dário Lourenço de Souza, s/n, Mário Cypreste. Telefone: (27) 3132-7053.

Hospedagem para Adultos em Situação de Rua
É um espaço de acolhida noturna, onde a população adulta em situação de rua recebe alimentação, higiene, atendimento psicossocial e abrigo provisório, de maneira adequada e digna. Os encaminhamentos para o espaço são feitos por meio do Centro-Pop. Horário de funcionamento: de segunda a domingo, das 17 às 7 horas.

Abrigo para Pessoas em Situação de Rua
Os usuários recebem atendimento psicossocial, participam de oficinas de alfabetização e artísticas e de palestras educativas e são encaminhados para emissão de documentos e tratamentos de saúde. O espaço tem capacidade para atender 40 pessoas. Encaminhamentos pelo Seas ou Centro-Pop.

Casa Lar para Pessoas em Situação de Rua com Transtorno Mental
Espaço de acolhida para pessoas em situação de rua com transtorno mental e poucas possibilidades de reinserção familiar e social. Funciona em regime de residência, com atenção integral aos usuários, incluindo alimentação, higiene, atividades socioeducativas, medicação e encaminhamento para a rede de serviços. Vitória possui duas unidades, com capacidade de acolher 15 pessoas cada. O encaminhamento é feito pelo Serviço de Abordagem Social, pelo Centro-Pop ou pelo Abrigo.

Albergue para Migrantes
Oferece atendimento social a pessoas a partir de 18 anos de idade e que estejam de passagem por Vitória. O migrante fica no espaço até que seja possibilitada sua inserção no mercado de trabalho ou a viabilização de passagem para seu retorno ao local de origem. Tem capacidade para acolher até 40 migrantes. Crianças e adolescentes são atendidas somente com documentos e acompanhadas dos responsáveis. Funciona na avenida Dário Lourenço de Souza, s/n, Mário Cypreste, 24 horas por dia.

Consultório na Rua
Realiza atendimento específico com os cuidados básicos de saúde para pessoas em situação de rua, muitas delas usuárias de crack e outras drogas. O atendimento é feito em seus locais de permanência pelas equipes itinerantes, formadas por enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, motoristas e auxiliares de enfermagem. O trabalho é voltado para a criação de vínculos de confiança com essas pessoas e persistência na oferta dos serviços até o início de um tratamento efetivo. O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8 horas à meia-noite, e aos sábados, domingos e feriados, das 8 às 20 horas.

Escola da Vida
Espaço onde os moradores de rua que já aceitaram alguns serviços da rede de proteção social desenvolvem diversas atividades coletivas e individuais, visando fortalecer a capacidade de expressão, autoconhecimento e autoconfiança, a partir de palestras sobre empreendedorismo, oficinas de projetos de vida, de criatividade, de liderança e de outras atividades, como rodas de conversas, exposições, cursos. A Escola da Vida funciona na rodovia Serafim Derenzi, 4452, no bairro São José.

Fonte: PMV

X
Olá! Faça seu cadastro no VitóriaNews.
{{app_feedback}}
{{getTitulo}}
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Comentando como
{{dados_login.nome}}
Sair
{{app_feedback_comment}}
{{comentario.nome}}
{{comentario.comentario}}
Notícias Relacionadas