Terceira etapa do julgamento do Carandiru começa hoje - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Geral
Terceira etapa do julgamento do Carandiru começa hoje
Publicado por Editoria O GLOBO

SÃO PAULO - Quinze policiais acusados pelo Ministério Público de matar oito presos no Massacre do Carandiru serão julgados a partir desta segunda-feira, no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo. A terceira etapa do julgamento deve durar pelo menos uma semana.

Por envolver grande número de réus e de vítimas, o julgamento dos responsáveis pelo massacre foi desmembrado em quatro etapas, divididas de acordo com a atuação dos réus em cada um dos quatro andares do pavilhão onde ocorreu a chacina de presos.

Em abril do ano passado, na primeira etapa do julgamento, 23 policiais foram condenados a 156 anos de reclusão cada um pela morte de 13 detentos. A segunda etapa ocorreu em agosto, quando 25 policiais foram condenados a 624 anos de reclusão cada um pela morte de 52 detentos que ocupavam o terceiro pavimento.

Os 15 policiais que serão julgados a partir de hoje teriam atuado no quarto pavimento (ou terceiro andar) da antiga Casa de Detenção. O primeiro passo do julgamento será o sorteio de sete pessoas para formar o Conselho de Sentença.

Em seguida está previsto o depoimento de seis testemunhas de acusação, cinco testemunhas de defesa e, também, dos réus. As sessões serão presididas pelo juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, do Tribunal do Júri.

O massacre do Carandiru ocorreu há 21 anos, em outubro de 1992. Na ocasião, 111 detentos foram mortos durante uma operação policial destinada a reprimir uma rebelião no presídio.

O comandante da ação, o coronel reformado da Polícia Militar (PM) e ex-deputado estadual Ubiratan Guimarães foi condenado em 2001 a 632 anos de prisão por 102 mortes, mas recorreu da sentença em liberdade. Em 2006, conseguiu na Justiça a anulação do julgamento. Ubiratan foi morto em setembro do mesmo ano com um tiro no abdômen, dentro do apartamento dele, nos Jardins, em São Paulo.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.