Jesuíta compartilha a dor e a fome com os sírios sitiados em Homs - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Geral
Jesuíta compartilha a dor e a fome com os sírios sitiados em Homs
Publicado por Editoria O GLOBO

HOMS, Síria - Um sacerdote jesuíta holandês decidiu permanecer junto aos moradores sitiados na parte antiga de Homs, cidade no centro de Síria, onde já não há comida e a esperança começa a desaparecer. O padre Frans van der Lugt passou quase cinco décadas na Síria, um país que ama profundamente, a ponto de considerá-lo seu, embora tenha nascido na Holanda. E mesmo sem poder - e sem querer deixar a cidade - conseguiu lançar um apelo pelo YouTube que cruzou as fronteiras do país: "Nós, cristãos e muçulmanos, amamos a vida e queremos viver."

Com o vídeo postado no último dia 27 de janeiro, Lugt ajudou a chamar a atenção para a situação na cidade, onde os habitantes lutam diariamente para encontrar comida e cuja população cristã se reduziu a poucas dezenas de pessoas.

- Falo da cidade velha de Homs sitiada. Represento as comunidades cristãs que aqui se encontram. Juntamente com os muçulmanos, vivemos uma situação difícil e dolorosa e sofremos com tantos problemas. O maior é a fome. As pessoas não encontram comida. Nada é mais doloroso do que ver mães pela estrada em busca de comida para os seus filhos - diz o sacerdote no vídeo. - Há tantas pessoas aqui que precisam ser operadas e necessitam de cuidados especializados e que sofrem terrivelmente.

Depois disso, o vídeo "Chamado de despertar: SOS Homs" - de imagem escura e falado em árabe - apareceu nas TVs holandesa e árabe. O padre começou a ser procurado pela imprensa e afirmou que, apesar da situação difícil, jamais lhe ocorreu abandonar a cidade.

- Eu dirijo um mosteiro. Como poderia deixá-lo? Posso abandonar os cristãos? É totalmente impossível - explicou a agências de notícias. - O povo sírio me deu tanto, tanta amabilidade, tanta inspiração, e tudo o que possuo. Agora que sofre, devo compartilhar sua dor e suas dificuldades.

O padre Frans chegou à Síria em 1996, depois de passar dois anos no Líbano estudando árabe. Aos 75 anos, seus olhos brilham por trás das lentes dos óculos quando fala de seu país adotivo.

Cotidiano difícil

Os moradores sitiados recolhem tudo o que encontram para se alimentar, mas a situação é desesperadora.

- Nós temos muito pouco para comer. As pessoas nas ruas têm rostos amarelados e cansados. Estão fracas e carecem de recursos - contou o padre.

O destino dessa área atacada há mais de 600 dias foi discutido entre o regime e a oposição durante as negociações de paz de Genebra. O regime aceitou deixar as mulheres e as crianças saírem, mas não houve nenhum acordo a respeito dos homens ou sobre a entrada de ajuda ao local.

- Aqui reina a fome, mas as pessoas também têm sede de uma vida normal. O ser humano não é apenas um estômago, também tem coração, e as pessoas precisam ver seus familiares e amigos - insistiu.

A parte antiga de Homs foi totalmente destruída e das dezenas de milhares de cristãos que viviam ali, segundo este sacerdote, restam apenas 66.

- Eu sou o único padre e o único estrangeiro que restou. Mas não me sinto um estrangeiro, e sim como um árabe entre os árabes - disse sorrindo.

Ele vive em um mosteiro jesuíta onde uma viúva prepara suas refeições. Faz o que pode para ajudar as famílias mais pobres da vizinhança, sejam cristãs ou muçulmanas.

- Eu não vejo as pessoas como cristãs ou muçulmanas. Vejo-as primeiro e, sobretudo, como seres humanos.

As delegações reunidas nos grandes hotéis de Montreux ou Genebra "falam de nós, mas não vivem conosco. Elas deveriam falar do que nós pensamos, e não do que lhes convêm", protestou, referindo-se às negociações de Genebra II entre representantes do regime sírio e da oposição que terminaram sem resultados.

Mas não há sinais de amargura em sua voz, e insiste que tanto o regime quanto a oposição devem encontrar a forma de restabelecer a confiança mútua.

- Se a confiança existe, então as negociações podem ser produtivas. Caso contrário, não funcionarão jamais. Não importa se são em Genebra, Paris, Honolulu ou Londres - completou.
X
Olá! Faça seu cadastro no VitóriaNews.
{{app_feedback}}
{{getTitulo}}
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Comentando como
{{dados_login.nome}}
Sair
{{app_feedback_comment}}
{{comentario.nome}}
{{comentario.comentario}}