quarta-feira, 18 maio, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

Dólar reduz queda e é negociado a R$ 2,42; Ibovespa sobe mais de 1%

SÃO PAULO – Um dia antes da decisão do Federal Reserve (o banco central americano) sobre a redução dos estímulos à economia dos EUA, o dólar comercial está em queda frente ao real. Às 13h11m, a moeda americana se desvalorizava 0,08%, sendo negociada a R$ 2,421 na compra e R$ 2,423 na venda. Na máxima do dia, a divisa alcançou R$ 2,429 (alta de 0,16%) e na mínima foi negociada a R$ 2,405 (queda de 0,82%). Ontem, a divisa fechou a R$ 2,42 frente ao real, o maior patamar desde agosto do ano passado.

As apostas do mercado são de que o Fed promoverá um novo enxugamento de US$ 10 bilhões na compra mensal de títulos, passando dos atuais US$ 75 bilhões para US$ 65 bilhões. A decisão será anunciada amanhã, mas a reunião começa hoje. Em relação aos juros americanos, não se esperam surpresas: o Fed deve manter a taxa entre zero e 0,25% ao ano.

O dólar recua hoje, segundo analistas, com um certo alívio alívio na aversão do mercado em relação aos ativos de países emergentes, com a atuação dos bancos centrais dessas nações para acalmar os investidores. O BC da Índia surpreendeu o mercado elevando sua taxa de juro em 0,25%, para 8% ao ano. Já o Banco Central da Turquia convocou uma reunião de política monetária de emergência para hoje e, segundo analistas, também deve promover uma alta dos juros. Amanhã é a vez do Banco Central da África do Sul se reunir.

– Essas respostas dos emergentes ajudam a sustentar os ganhos nas bolsas europeias e promover alguma recuperação das moedas ligadas a commodities nesta manhã, incluindo o real. Entretanto, a relativa estabilidade é frágil e pode facilmente ser revertida ao longo do pregão – avalia João Paulo de Gracia Côrrea, gerente de câmbio da corretora Correparti.

No Brasil, o BC elevou a taxa básica de juro de 10% para 10,5% ao ano, no início de janeiro. O governo também deve anunciar um corte de R$ 30 bilhões no Orçamento para acalmar os mercados, segundo reportagem publicada no GLOBO.

Contribuem ainda para o recuo do dólar, os leilões de contratos de swap cambial feitos pelo Banco Central. No primeiro, foram ofertados quatro mil novos contratos, o equivalente a US$ 197,2 milhões. No segundo, foram rolados 20,5 mil contratos que vencem em 3 de fevereiro, totalizando US$ 1 bilhão. Com a rolagem de hoje, o BC concluiu a renovação do lote de US$ 11 bilhões em contratos de swap cambial que vencia no dia 3 de fevereiro. O próximo lote vence no dia 5 de março e totaliza US$ 7,3 bilhões.

Ibovespa sobe mais de 1%

Nesse contexto um pouco mais favorável aos emergentes, o Ibovespa, principal índice de ações da Bovespa, iniciou o dia em alta e logo após a abertura passou a subir mais de 1%. Às 13h11m, o índice tinha avanço de 1,31%, aos 48.326 pontos, puxado pelas ações da Vale e da Petrobras. Os papéis PNA da Vale sobem 1,57% a R$ 29,00, enquanto as ações ordinárias da mineradora ganham 2,12% a R$ 31,78. Os papéis preferenciais da Petrobras se valorizam 0,99% a R$ 15,26, enquanto as ações ordinárias avançam 2,63% a R$ 14,39, a maior alta do Ibovespa.

Já os papéis de bancos também se valorizam. As ações preferenciais do Itaú Unibanco sobem 1,74% a R$ 30,38, enquanto os papeis PN do Bradesco se valorizam 1,96% a R$ 26,99.

– Além do clima mais tranquilo em relação aos emergentes no exterior, também há um movimento dos investidores para recuperar parte das perdas do mês na Bolsa, que já chegam a 7,38%. Também as ações da Vale e da Petrobras acabam sendo beneficiadas pela alta do dólar, já que exportam parte de sua produção – diz o operador de uma corretora de São Paulo.

Bolsas da Ásia fecham sem tendência definida

Na Europa, as Bolsas mantêm o viés de alta, enquanto nos Estados Unidos os principais índices acionários também estão em alta, repercutindo novos números da economia americana divulgados hoje. O índice de confiança do consumidor americano medido pelo Conference Board subiu para 80,7 pontos em janeiro, de 77,5 pontos em dezembro. Analistas previam que o índice recuasse para 77,5 pontos em janeiro. E a atividade industrial da região de Richmond, nos Estados Unidos, melhorou em janeiro, mas em ritmo menos acentuado que em dezembr. O índice calculado pela unidade regional do Federal Reserve e Richmond caiu de 13 para 12 pontos em janeiro ante dezembro.

Na Ásia, as Bolsas fecharam sem tendência única, depois que o Banco do Povo da China (Pboc, o banco central do país) voltou a injetar recursos no sistema financeiro diante de um novo aumento nas taxas locais de juro interbancário. O Pboc emprestou 150 bilhões de iuanes (US$ 24,8 bilhões) aos bancos do país por meio de uma operação compromissada de duas semanas, mas ainda assim a taxa de juro para empréstimos de uma semana saiu de 4,69% ontem para 4,96% hoje. Os investidores também aguardam o fim da reunião do banco central americano.

Na China, o índice Hang Seng caiu 0,07%, para 21.960,64 pontos, enquanto o Xangai Composto avançou 0,26%, a 2.038,51 pontos.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas