Gaza não precisa inflar mortos para demonstrar horror da guerra, diz autoridade médica palestina

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Os números de mortos e feridos na guerra Israel-Hamas relatados pelas autoridades de saúde da Faixa de Gaza são confiáveis e provavelmente estão subnotificados, diz a psiquiatra palestina Samah Jabr.

“O povo de Gaza não precisa exagerar o número de mortos para mostrar ao mundo os horrores que estão acontecendo”, afirma Jabr, chefe da unidade de saúde mental do Ministério da Saúde da Autoridade Nacional Palestina (ANP).

Até esta quinta-feira (27), ao menos 37.765 pessoas morreram, e 86.429 ficaram feridas no território desde a ofensiva israelense em resposta aos ataques terroristas do Hamas de 7 de outubro de 2023, de acordo com informe da ONU que cita dados do Ministério da Saúde de Gaza, controlado pela facção palestina.

A administração do Hamas na Faixa de Gaza é rival da ANP, que atua em partes da Cisjordânia.

A confiabilidade dessas cifras foi contestada pelo governo israelense e pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que chegou a afirmar no início do conflito não saber se os palestinos estavam dizendo a verdade sobre o número de vítimas.

Em maio, Tel Aviv questionou o fato de as Nações Unidas terem começado a divulgar o número total de mortes e outro de óbitos cuja identidade havia sido checada e confirmada. Por esse critério, a proporção de crianças e mulheres entre os mortos caía de 66% para 56%. Depois da manifestação israelense, a ONU deixou de fazer essa separação.

O percentual de crianças e mulheres no total de mortes também gerou acusações de que o ministério da Saúde em Gaza estaria inflando o cenário. Em março, a pasta disse que esses dois grupos representavam 72% dos óbitos de palestinos em decorrência da guerra. No entanto, com base em dados do próprio órgão, levantamento feito pela Folha de S.Paulo apontava para 57,8% no fim daquele mês, e esta fatia de mulheres e crianças vinha em queda desde dezembro de 2023.

Jabr, 47, diz que não há evidência de que autoridades de saúde palestinas estejam mentindo. “Esses números vêm de médicos que estão profissional e eticamente comprometidos com o bem-estar das pessoas.” Ela ressalta que a cifra de mortos não inclui milhares de pessoas dadas como desaparecidas sob os escombros de prédios bombardeados.

A psiquiatra veio ao Brasil a convite do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais para participar do Congresso Brasileiro de Psicologia e Migração, que ocorreu na semana passada em Belo Horizonte. Ela também esteve em Brasília, onde se reuniu com autoridades do Ministério da Saúde brasileiro.

Jabr recebeu a Folha de S.Paulo no hotel em que está hospedada em São Paulo, onde veio lançar o livro “Sumud em tempos de genocídio” (editora Tabla). Sumud, em árabe, significa resiliência e se tornou um termo de conotação política ligado à resistência palestina contra Israel.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), 32 dos 36 hospitais da Faixa de Gaza foram destruídos ou danificados desde o início da guerra. Além disso, cerca de 500 profissionais de saúde foram mortos, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Para Jabr, que também é professora assistente da Universidade George Washington (EUA), os ataques à infraestrutura de saúde “são parte do genocídio promovido por Israel contra os palestinos”.

Antes da guerra atual, a psiquiatra visitou Gaza em diversas ocasiões para capacitar profissionais de saúde do território. Lá, ela observou uma população física e psicologicamente traumatizada em decorrência do bloqueio imposto por Israel desde 2007 e de campanhas subsequentes de bombardeio.

A especialista diz que os ataques ao direito à saúde não estão restritos à Faixa de Gaza. Citando as discrepâncias nos serviços de saúde disponíveis para israelenses e para palestinos, bem como as restrições de movimento que dificultam o acesso destes a hospitais, ela considera haver um “apartheid médico” por parte de Israel.

Jabr vive em Jerusalém Oriental, território sob ocupação militar de Israel desde 1967. Assim como os demais palestinos que habitam a cidade, ela possui status de residente temporária e não tem acesso aos direitos de cidadania concedidos aos moradores israelenses.

“É muito difícil viver sob ocupação. Vemos Jerusalém mudando na frente dos nossos olhos e a terra encolhendo sob os nossos pés”, afirma. “Sentimos tristeza, raiva e luto. Mas eu sei separar isso da minha saúde mental, e procuro ajudar outros palestinos a não deixar que as emoções sobre o que acontece à sua volta venham a prejudicar a sua saúde.”

SUMUD EM TEMPOS DE GENOCÍDIO

Preço R$ 68 (192 págs.)

Autoria Samah Jabr

Editora Tabla

Organização e tradução Rima Awada Zahra

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.