Fuad é aprovado por 24% e reprovado por 21% em BH, aponta Datafolha

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) – A gestão do prefeito Fuad Noman (PSD) à frente da Prefeitura de Belo Horizonte é considerada boa ou ótima por 24% dos eleitores da cidade, enquanto é reprovada por 21%, aponta pesquisa Datafolha.

Outros 45% dos entrevistados consideram a administração regular, e 10% não opinaram. O levantamento ouviu 616 eleitores de Belo Horizonte de 2 a 4 de julho. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Noman assumiu o cargo no fim de março de 2022, quando o então prefeito, Alexandre Kalil (PSD) deixou a prefeitura para concorrer ao governo do estado. Na quinta-feira (4), anunciou que foi diagnosticado com um linfoma não Hodgkin. Ele afirmou que já iniciou o tratamento e que seguirá à frente da prefeitura, assim como na pré-campanha para a reeleição.

A pesquisa apontou que mais homens (29%) do que mulheres (20%) consideram a atual gestão boa ou ótima.

O Datafolha também indica que o prefeito é menos bem avaliado entre os mais jovens. Na faixa etária de 16 a 24 anos, 12% consideram a gestão ótima ou boa, e 51% acham que ela é regular.

Entre os mais velhos, a administração foi avaliada como ótima ou boa por 26% entre aqueles que têm a partir de 35 anos.

O prefeito também recebe a melhor avaliação numérica entre os que têm ensino fundamental (30%) do que aqueles com médio (20%) e superior (23%).

Em relação à renda, 17% dos que ganham acima de cinco salários mínimos afirmam que a gestão é ótima ou boa. A avaliação melhora entre os que recebem até dois salários mínimos (25%) e os que têm renda entre dois e cinco salários mínimos (26%).

Entre os dias 29 de junho e 1º de julho de 2022, quando a gestão Fuad dava os primeiros passos, levantamento apontava que 20% a consideravam como ótima ou boa, 35% regular e 14% ruim ou péssima. Como era início de administração, 30% não sabiam opinar sobre ela.

O Datafolha também perguntou sobre quais os principais problemas da cidade. Os mais apontados pelos eleitores foram saúde (23%) e transporte público (17%). Também foram citados segurança pública (11%), trânsito (10%) e educação (7%).

A discussão acerca do transporte público e da concessionária do serviço na cidade, a BHTrans, deve ser um dos principais temas da eleição deste ano.

Em 2023, uma CPI na Câmara Municipal colocou em pé de guerra o prefeito e o presidente da Câmara, Gabriel Azevedo (MDB), que também irá concorrer às eleições deste ano.

Compartilhe: