Faculdade de Direito da USP cobra PM por ação em posse de procurador com presença de Tarcísio

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O diretor da Faculdade de Direito da USP, Celso Fernandes Campilongo, cobrou investigação de violência policial contra estudantes durante evento de posse do chefe do Ministério Público estadual de São Paulo, com a presença do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

O episódio aconteceu na sexta-feira (24) em meio à cerimônia solene que empossou Paulo Sérgio de Oliveira e Costa para o cargo de procurador-geral de Justiça. Na ocasião, Tarcísio foi alvo de protesto na sede da faculdade do Largo São Francisco, no centro da capital paulista.

A faculdade registrou boletim de ocorrência eletrônico, no qual relata violência injustificada contra os estudantes. No registro, há o relato de que estudantes “protestavam pacífica e legitimamente contra a presença do governador do estado, o que ensejou a reação violenta por parte de policiais militares, que praticaram agressões físicas de forma absolutamente injustificada contra estudantes”.

“Acho que tem que investigar a responsabilidade, quem é que entrou lá e por que que começaram a dar cacetada, empurrão, e agredindo os alunos, cerceando a liberdade dos alunos de fazerem o protesto, enfim. Quem é o responsável por isso?”, disse Campilongo em entrevista à reportagem.

“Que se apure a responsabilidade, tem ali um excesso de poder, tem violência policial, tem agressão, tem alguns delitos que precisam ser apurados”, completa.

A reportagem procurou a SSP (Secretaria da Segurança Pública) sobre o episódio, mas ainda não teve retorno.

Composto por cerca de 50 pessoas, o grupo de manifestantes reunia jovens que se apresentavam como integrantes da UNE (União Nacional dos Estudantes), do DCE (Diretório Central dos Estudantes da USP), do Centro Acadêmico XI de Agosto e do partido PSOL. Eles criticaram as privatizações e ações policiais do governo.

Tarcísio chegou ao local por uma entrada privativa e não teve contato com os manifestantes.

O diretor afirmou que os alunos estavam protestando e dizendo palavras de ordem, e citou um aluno que teria sido alvo da maior parte das agressões. Ele, que viu vídeos do episódio e ouviu relatos dos estudantes sobre o caso, se colocou entre os alunos e os policiais durante todo o evento, o que teria ajudado a acalmar os ânimos.

Uma professora chegou a ir até a delegacia, onde, segundo o diretor, onde houve recado com pedido da presença da pessoa efetivamente agredida. Na visão de Campilongo, a faculdade também é vítima no episódio.

“No fundo, acho que a vítima não é apenas aquele estudante que foi agredido ou um advogado que também foi agredido, a vítima é também a faculdade, você está ocupando o espaço da faculdade e distribuindo bolachada para os alunos, a faculdade se sente vítima disso também”.

De acordo com o professor, a faculdade ainda não recebeu qualquer retorno sobre a queixa prestada na Polícia Civil na segunda-feira (27).

“Eu estou achando que há um pouco de má vontade com relação a isso, essa é a minha impressão, já se passaram mais de 24 horas, não recebemos nenhum comunicado.”

O diretor não é o primeiro a criticar a ação policial durante o evento. O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), por meio da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, acionou o Ministério Público do Estado de São Paulo (SP), bem como a Ouvidoria e a Corregedoria da Polícia Militar estadual para investigar a ação.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.