Ex-premiê Liz Truss perde assento no Parlamento britânico para trabalhista

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – Antecessora de Rishi Sunak, a ex-primeira-ministra Liz Truss perdeu seu assento no Parlamento britânico para um adversário trabalhista, em uma das maiores derrotas para os conservadores. Com a ampla maioria conquistada na quinta-feira (4), o partido de centro-esquerda conseguiu eleger Keir Starmer como novo premiê do Reino Unido.

Trabalhista Terry Jermy venceu Liz Truss por 640 votos. Os dois disputavam uma cadeira pelo distrito eleitoral de South West Norfolk. Em 2019, a ex-primeira-ministra havia conquistado uma maioria de 26 mil votos e, segundo o jornal britânico The Guardian, não era esperado que enfrentasse uma pressão séria nesta eleição.

Truss era representante de South West Norfolk desde 2010. Durante a campanha deste ano, porém, ela pouco apareceu. Seu mandato turbulento de 45 dias como primeira-ministra é apontado por muitos conservadores como um dos responsáveis pela derrota histórica nestas eleições.

Resultado é um símbolo da derrota histórica dos conservadores. Faltando apenas dois assentos a serem definidos, o Partido Conservador conquistou 121 cadeiras, contra 412 do Partido Trabalhista. “Durante nossos 14 anos no poder, infelizmente não fizemos o suficiente para dar continuidade ao legado”, disse Truss à BBC após a derrota.

“Eu acho que o problema que nós, conservadores, tivemos é que não entregamos o suficiente nas políticas que as pessoas querem. E isso significa manter os impostos baixos, claro, mas também reduzir o fluxo da imigração – e eu acho que esse foi um problema crucial aqui em South West Norfolk”, disse Liz Truss em entrevista à BBC após a derrota.

RESULTADO DAS ELEIÇÕES

Trabalhistas conseguiram 412 cadeiras no Parlamento. Os Conservadores ficaram em segundo lugar, com 121 parlamentares eleitos, seguido por LibDems (71), SNP (Partido Nacional Escocês, 9), Sinn Fein (7), da Irlanda, e independentes (6). Reform UK, Verde e Plaid Cymru (Partido do País de Gales) ficaram com quatro assentos cada. Ainda faltam os resultados de duas cadeiras.

Starmer é o 1º premiê trabalhista em mais de 14 anos. O último representante do partido a ser primeiro-ministro foi Gordon Brown, que sucedeu Tony Blair e ficou no cargo de junho de 2007 a maio de 2010. Neste meio-tempo, o Reino Unido teve cinco premiês conservadores: David Cameron, Theresa May, Boris Johnson, Liz Truss e Rishi Sunak.

No Reino Unido, é adotado o sistema de voto distrital. Os eleitores não escolhem seu primeiro-ministro diretamente, mas sim os 650 membros do Parlamento que vão representar os distritos onde moram. Esses parlamentares compõem a chamada Câmara dos Comuns (ou House of Commons), equivalente à Câmara dos Deputados brasileira. O líder do partido que tiver a maioria do Parlamento -neste caso, Keir Starmer- recebe autorização formal do rei Charles 3º para assumir o cargo de primeiro-ministro e formar um governo.

Compartilhe: