domingo, 14 agosto, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

COB exibe planejamento para Paris-2024 e presidente confia em ‘superar Tóquio’

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) apresentou nesta terça-feira o planejamento para os Jogos Olímpicos de Paris-2024. Em evento em São Paulo, os dirigentes da entidade detalharam a logística para a próxima Olimpíada e celebraram o marco de dois anos para o megaevento, que será realizado entre 26 de julho e 11 de agosto.

Em quase duas horas de evento, o COB destrinchou os planos para a Olimpíada de Paris, no qual o presidente Paulo Wanderley Teixeira acredita ser possível superar o desempenho de Tóquio. No Japão, foram 21 medalhas – sete ouros, seis pratas e oito bronzes – que renderam ao País o 12º lugar na classificação geral.

“O desafio é superar Tóquio. É isso que a gente quer e é para isso que trabalhamos. Não fazemos por menos. Temos sempre que superar a missão anterior”, disse ele, animado com o que crê que será a “Olimpíada da libertação da pandemia”, sem restrições impostas pela covid-19.

“Depois da pandemia, depois de Tóquio, não tem mais desafio. A não ser que haja uma nova pandemia. A gente está confiante de que será um período tranquilo”, afirmou Paulo Wanderley. Ele prevê, também, delegação recorde na capital francesa. Em Tóquio, o Time Brasil contou com 302 atletas, que competiram em 35 modalidades. “Eu acredito que vamos ter o maior número em Paris. Vamos superar um pouquinho, mas não muito. Vai depender da fase classificatória: 300 e qualquer coisa. É por aí”.

PLANEJAMENTO PARA PARIS-2024

No evento, o COB deu detalhes do planejamento esportivo e da logística operacional para Paris-2024. Os trabalhos começaram ainda em 2019, antes dos Jogos de Tóquio. A base será a cidade de Saint-Ouen e o Time Brasil terá cinco locais exclusivos, entre eles o principal, a 600 metros da Vila Olímpica.

Cada um desses locais oferecerá serviços específicos no período dos Jogos. Monumento histórico e símbolo da cidade, o Château Saint-Ouen pode acomodar serviços médicos, preparação mental, áreas operacionais e alimentação brasileira, além de ser o ponto de encontro dos atletas com seus amigos e familiares. Função similar terá a Escola Petit Prince, base de apoio voltada à performance esportiva.

No Parque das Docas será construída uma quadra temporária e exclusiva para o vôlei de praia. Já no Ginásio das Docas, as seleções masculina e feminina de vôlei de quadra poderão realizar seus treinos de quadra e academia a menos de 10 minutos da Vila Olímpica, sem restrição de horário. Por fim, a Serra Wangari receberá a operação de uniformes. A seleção masculina de vôlei será a primeira a testar a operação em Saint-Ouen. A equipe estará na cidade francesa em agosto, às vésperas do Mundial.

“O trabalho do COB começou antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio e essa é a concretização desse planejamento de longo prazo, trabalhado por várias mãos, em busca de oferecer suporte na preparação dos nossos atletas. Nós criamos estratégias e entendemos ser extremamente importante dar apoio em todos os detalhes para que os nossos atletas só se preocupem em competir”, ressaltou Ney Wilson, diretor de Alto Rendimento do COB.

Além de Saint-Ouen, o COB oferecerá bases de apoio às modalidades esportivas cujas competições serão realizadas fora de Paris. São os casos da vela, em Marselha; do handebol, em Lille; do remo e da canoagem, em Seine-et-Marne; e do surfe, no Taiti.

PROJETOS PARA OS ATLETAS

Foram anunciados novos projetos voltados aos atletas e ações de marketing e a retomada do programa Vivência Olímpica, que teve sua primeira edição em Londres-2012, com 16 atletas, seguido do Rio-2016, representado por 20 talentos, mas foi cancelado para os Jogos de Tóquio em razão da pandemia.

Agora, o COB levará 24 atletas com até 23 anos para Paris para vivenciarem de forma antecipada o ambiente olímpico. Estarão em Paris jovens com histórico de resultados nas categorias de base, em alguns casos já na categoria adulta, e com potencial de evolução até os Jogos Olímpicos de Los Angeles-2028 e Brisbane-2032.

Outra ação anunciada foi o programa de Embaixadores. Serão selecionados dez atletas olímpicos que fizeram história para estarem presentes juntos à delegação brasileira em Paris.

Quanto ao marketing, a principal novidade é a criação do COB+, programa de patrocínio e captação da entidade. Por meio dele, as empresas e marcas poderão realizar ativações e parcerias no ciclo que vai até Paris-2024.

“Temos um grande evento no fim do ano, que é a Copa do Mundo, e a partir da virada do ano temos a obrigação de nos conectarmos com o público final e o público corporativo quase que diariamente. Queremos mostrar em uma campanha massiva, a partir de janeiro de 2023, contar o que é o COB, quem somos, o que fazemos, os motivos, em vários tipos de ações”, disse o diretor de Marketing do COB, Gustavo Herbetta.

HALL DA FAMA DO COB

Atletas olímpicos de várias gerações estiveram no evento. Dois deles foram homenageados e entraram para o Hall da Fama do COB: o ex-judoca e atual diretor geral do COB, Rogério Sampaio, e o ex-nadador Gustavo Borges.

“Uma emoção muito grande estar aqui. A data não podia ser mais especial. Dia 26 de julho foi dia da minha estreia olímpica, em 1992. Feliz de receber essa homenagem. Uma data mais do que espetacular”, disse Gustavo Borges, donos de quatro medalhas em Olimpíadas, duas pratas e dois bronzes.

Também foram ao encontro o membro do Comitê Olímpico Internacional, Bernard Rajzman, presidentes das Confederações Brasileiras Olímpicas, integrantes da Comissão de Atletas do COB, além de Thiago Milhim, Secretário Estadual de Esportes de São Paulo, Carlos Augusto Vianna, Secretário Municipal de Esporte e Lazer de São Paulo, Bruno Souza, Secretário Nacional de Esportes, Christophe Alamelama, Consul Geral Adjunto da França em São Paulo, entre outros.

Ricardo Magatti
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas