El Niño chega ao fim e La Niña deve se formar no país até setembro; entenda

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em boletim divulgado nesta quarta-feira (12), o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) comunicou o fim do fenômeno El Niño, que se caracteriza pelo aquecimento acima do normal das águas do oceano Pacífico equatorial, impactando em mudanças climáticas em todo o mundo.

No Brasil, os principais efeitos são clima seco no Norte e Nordeste e aumento das chuvas no Sul, justamente o que foi observado desde o início de 2023, além das ondas de calor acima da média.

A partir de agora, no entanto, outro fenômeno está chegando: o La Niña, que tem efeito oposto ao El Niño, uma vez que diminui a temperatura das águas do Pacífico. Segundo o instituto, projeções estendidas do Instituto Internacional de Pesquisa sobre Clima e Sociedade, da NOAA (Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA), indicam que o La Niña tem 69% de probabilidade de se formar até setembro.

Assim, a tendência é ter chuvas acima da média em áreas das regiões Norte e Nordeste, e abaixo da média nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil a partir de outubro. Além disso, outra característica desse fenômeno é provocar frio mais intenso. No entanto, ainda é cedo para tentar prever a intensidade desses efeitos.

“O fenômeno deve se desenvolver na segunda metade deste ano. Então, ainda é difícil saber com precisão quais serão os impactos na temperatura e nas chuvas, porque isso vai depender de fatores como onde se localizarão as maiores anomalias de temperatura no oceano Pacífico, como será a configuração do oceano Atlântico e outros fatores”, explica Marcelo Seluchi, coordenador-geral de Operações e Modelagem do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Desastres Naturais).

Um dos locais que mais sofrem com o La Niña é o pantanal, no Mato Grosso do Sul, bioma que costuma sofrer com a seca e incêndios florestais. Este ano, já está atraindo a atenção das autoridades climáticas. A bacia do rio Paraguai, formadora do Pantanal, persiste em situação de seca na principal estação de monitoramento, Porto Murtinho.

“Espera-se uma situação de degradação da vegetação e risco alto de incêndios para o período final da estação seca”, afirma Seluchi.

O boletim, que é feito em parceria do Inmet com o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), a ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico) e o Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastre), analisou os principais efeitos do El Niño no país desde o início de 2023.

“O El Niño deste período foi classificado como de intensidade moderada a forte e, embora não tenha sido o mais intenso já registrado, seus impactos foram significativos e com efeitos variados nas diferentes regiões do país”, destaca o texto.

O monitoramento realizado de junho de 2023 a abril deste ano observou que áreas com seca aumentaram e a gravidade da seca passou de fraca a extrema em algumas áreas da região Norte. No Nordeste ocorreram áreas com seca grave, que retrocederam a partir de março de 2024, mas que atualmente já apresentam chuvas de moderada a forte.

No Sul, o principal efeito foram as três grandes enchentes na região, em setembro e novembro de 2023 e maio deste ano, que provocou a maior tragédia do Rio Grande do Sul.

No Sudeste, segundo o relatório, já se observam estações meteorológicas em situação de estiagem na bacia do rio Doce, entre Minas Gerais e Espírito Santo, e do rio Paraíba do Sul, em São Paulo.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.