domingo, 14 agosto, 2022
em conformidade com o que estabelece a junta comercial do es - jucesspot_img

Juros: Taxas caem com exterior nesta sexta, mas acumulam alta na semana

Marcada pelo aumento da aversão ao risco no exterior, a semana terminou nesta sexta-feira, 15, com alívio nos prêmios da curva de juros em relação a ontem, principalmente nos vencimentos curtos e intermediários, enquanto os longos fecharam em baixa mais modesta. No balanço da semana, porém, todas as taxas subiram e com um pouco mais de força na ponta curta dado o temor de recessão global, resultando em ligeira perda de inclinação. O movimento de desta sexta-feira foi considerado como uma correção técnica na esteira de dados da economia americana acima do esperado e falas de dirigentes do Federal Reserve, que continuaram enfraquecendo a tese da alta de 100 pontos-base no juro dos EUA na reunião de julho.

No fechamento da etapa regular, boa parte dos vencimentos entre 2023 e 2024 estava nas mínimas, caso da taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023, que encerrou 13,87%, de 13,906% ontem no ajuste, e do DI para janeiro de 2024, cuja taxa caiu de 13,877% para 13,76%. O DI para janeiro de 2025 fechou com taxa de 13,11%, de 13,19% ontem, e o DI para janeiro de 2027, em 12,945%, de 13,00%. Na semana, as taxas curtas avançaram cerca de 15 pontos e as longas, em torno de 10 pontos.

Sem agenda local relevante de indicadores ou eventos nesta sexta-feira, o exterior continuou orientando os negócios por aqui, com os juros replicando a melhora de sentimento dos agentes quanto ao risco para a atividade nos Estados Unidos trazido pelo ajuste na política monetária do Federal Reserve. Depois de subirem nas duas últimas sessões, havia espaço para alguma devolução de prêmios.

As vendas do varejo dos EUA (+1,0%) em junho vieram ligeiramente acima do consenso (+0,9%), assim como o índice de sentimento ao consumidor na leitura preliminar feita pela Universidade de Michigan, que ficou em 51,1 em julho, ante consenso de 50. Ainda, as expectativas para a inflação em 12 meses nos EUA recuaram levemente de 5,3% a 5,2% no período. Para o período de 5 anos, caíram de 3,1% a 2,8%.

O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, demonstrou ceticismo em relação à possibilidade de os EUA entrarem em recessão. “Os dados de emprego contrariam totalmente a ideia de recessão”, disse Bullard, acrescentando esperar que o mercado de trabalho continuará forte pelo restante do ano e que o Fed garantirá um “pouso suave” dos EUA.

“Temos hoje a continuidade do alívio já iniciado na tarde de ontem, com o mercado reduzindo as chances de um Fed mais agressivo. A possibilidade de uma dose de 100 pontos vinha fortalecendo o dólar e provocando flattening na curva dos Treasuries. Aqui, o spread chegou a quase -90 pontos”, afirmou o economista-chefe da Greenbay Investimentos, Flávio Serrano, referindo-se ao diferencial entre as taxas para janeiro de 2027 e janeiro de 2023, que hoje ficou em -81 pontos. O dólar esteve hoje em queda generalizada e fechou a R$ 5,4049 (-0,52%).

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

POSTAGENS RECENTES

EDITORIAS

Relacionadas