Dalcolmo: Queremos oferecer alternativa de contratação mais barata que a CLT - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Economia
Dalcolmo: Queremos oferecer alternativa de contratação mais barata que a CLT
Reportagem produzida por Estadão Conteúdo

O secretário-executivo do Ministério do Trabalho e Previdência, Bruno Dalcolmo, afirmou que o governo que oferecer alternativa para contratação formal de emprego mais barata do que as admissões por meio da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

"Formalizar pela CLT é bonito, mas se isso fosse possível já teria ocorrido", disse, defendendo programas de "rampa de acesso" para a formalização, como os citados pelo chefe da pasta, Onyx Lorenzoni. O ministro disse mais cedo que o governo deve anunciar o serviço social voluntário na virada do ano.

Dalcolmo ainda negou que haja um processo de aumento da informalidade na economia. "Dizer que há 'informalização' da economia não é correto", argumentou.

Ele citou que o estoque de empregos formais no País está próximo do nível pré-pandemia, em cerca de 33 milhões de vagas com carteira assinada. "O porcentual de 40% de informalidade é a média Brasil."

O secretário, contudo, ponderou que não significa que o ministério vai fechar os olhos para o fenômeno. Ele argumentou que há uma tendência mundial de preferência de trabalhadores por maior flexibilidade. "Estamos trabalhando em temas como trabalho remoto e trabalho por aplicativo, para proteção mínima, principalmente previdenciária."
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.