Para sindicatos, congelamento de aposentadorias proposto pelo governo seria 'injustiça histórica' - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Economia
Para sindicatos, congelamento de aposentadorias proposto pelo governo seria 'injustiça histórica'
Publicado por Estadão Conteúdo
Fernando Frazão/arquivo ABr

Centrais sindicais criticaram a proposta da equipe econômica do governo de congelar por dois anos o valor das aposentadorias e pensões, bem como do Benefício por Prestação Continuada (BPC), para financiar o Renda Brasil. Segundo nota enviada pela Força Sindical, entidade que reúne as lideranças sindicais de diversas categorias, a ideia representaria "uma injustiça histórica contra os trabalhadores e aposentados do País".

Na manhã desta terça, o presidente da República, Jair Bolsonaro, tratou de rechaçar a proposta dos técnicos do Ministério da Economia e encerrar, ao menos até 2022, as discussões sobre o Renda Brasil. "Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final", disse Bolsonaro.

De acordo com os sindicatos, a ideia de congelar os benefícios traduz uma "lógica equivocada do governo". As lideranças defendem que os reajustes vão contribuir para fomentar a economia. "Com mais rendimentos, os aposentados irão fomentar o consumo, a produção e, consequentemente, a geração de novos postos de trabalho", diz a nota enviada ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Por fim, a Força Sindical ainda pressiona pela prorrogação do auxílio emergencial até dezembro sob o valor original de R$ 600.

A primeira parcela extra do programa, com o novo valor de R$ 300, será paga aos beneficiários na próxima quinta-feira, dia 17. "As Centrais Sindicais irão mobilizar suas bases para sensibilizar os parlamentares para garantir este direito legítimo aos trabalhadores brasileiros", concluem as entidades.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas