Ex-ministro Delfim Netto avalia, em estudo, que saúde suplementar ajuda o SUS, arrecada impostos e gera empregos - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Economia
Ex-ministro Delfim Netto avalia, em estudo, que saúde suplementar ajuda o SUS, arrecada impostos e gera empregos
Publicado por Redação VitóriaNews

Com pouco mais de 50 milhões de beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares, a saúde suplementar brasileira contribui para reduzir a demanda de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), é importante fonte arrecadadora de tributos, gera empregos e atrai investimentos, especialmente diante do atual cenário de crise econômica do País. Essas são as conclusões de estudo inédito realizado pelo ex-ministro da Fazenda e professor emérito da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP), Antonio Delfim Netto, para o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

 O material foi apresentado quinta-feira (12/11), durante a cerimônia de entrega do V Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar, em São Paulo. 

 Considerando apenas aspectos monetários, os planos de saúde no Brasil aliviam as despesas do SUS na ordem de R$ 74,89 bilhões, em valores de 2012. O montante considera a somatória das despesas assistenciais, ressarcimento ao SUS e tributos diretos recolhidos em 2012, que totalizaram R$ 83,99 bilhões, abatidas as deduções fiscais dos contribuintes (gastos dedutíveis do Imposto de Renda), que totalizaram R$ 9,1 bilhões. Se fossem considerados, também, os R$ 19 bilhões arrecadados com tributos indiretos, a saúde suplementar representaria uma economia de quase R$ 95 bilhões aos cofres públicos - em valores presentes, superaria a marca de R$ 100 bilhões / ano. A Receita Federal não disponibiliza dados após 2012, o que impossibilita o cálculo para os anos seguintes.

 O estudo "O financiamento da saúde no Brasil e a valorização da saúde suplementar" analisa a saúde suplementar e aponta sua relevância tanto para o setor público quanto para a geração de emprego e atração de investimentos. A cadeia saúde brasileira consumiu, em 2014, cerca de R$ 557 bilhões, o equivalente a cerca de 10,1% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. O montante supera a soma dos PIBs de Uruguai, Bolívia e Equador.

 Apesar de o valor total gasto com o setor de saúde ser relativamente elevado, o Brasil ainda apresenta um baixo gasto per capita, comparativamente a países que são considerados como referência de qualidade em atendimento ao paciente pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Caso, por exemplo, de Alemanha, Canadá, França e Reino Unido.  

 Os gastos com saúde per capita, contudo, vêm crescendo no Brasil. Entre o 1995 e 2013, aumentaram 212%. Já os privados, avançaram 154%. Mesmo com os gastos públicos crescendo em ritmo superior aos privados, a saúde suplementar ainda é responsável pela maior parte dos gastos per capita no País: 51,8%. Já o SUS responde por 48,2% dos gastos per capita com saúde. Em 2013, a saúde suplementar teve gasto de US$ 754 / per capita enquanto, na saúde pública, o gasto foi de US$ 701 / per capita, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mencionados no estudo.

Delfim Netto destaca, no estudo, que a saúde suplementar também tem um forte papel na economia como gerador de empregos formais. Em números, os planos de saúde e seguradoras de saúde contavam, em 2014, com 85.454 empregados com carteira assinada. Um impulso de 12,23% durante um ano em que a economia brasileira viu o saldo de empregos formais avançar muito pouco, apenas 1,27%, de acordo com dados do Ministério do Trabalho. Entre 2009 e 2014, o setor de saúde suplementar apresentou crescimento de 37,8% no total de postos de trabalhos com carteira assinada. 

Além disso, de acordo com os números de setembro de 2015, a saúde suplementar fornece assistência a 50,2 milhões de beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares e a 21,8 milhões de beneficiários de planos exclusivamente odontológicos. Um universo composto por uma população com estrutura etária mais envelhecida em relação aos usuários do SUS - e que, naturalmente, demanda mais cuidados e, consequentemente, gastos. Segundo Delfim Netto e equipe, sem a saúde suplementar, a demanda pelos serviços do SUS seria ainda maior, impactando diretamente sua capacidade de atendimento e financeira.

A saúde suplementar representa, portanto, um importante pilar de sustentação do próprio sistema nacional de saúde, tornando-se, hoje, indispensável para o Estado, que não teria, de outra forma, como suportar a incorporação dos gastos desse setor no orçamento da União ou como incorporar os funcionários com carteira assinada empregados pela iniciativa privada.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.