Congresso derruba veto das saidinhas e acaba com direito de detentos, em derrota do governo

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O Congresso Nacional derrubou nesta terça-feira (28) o veto do presidente Lula (PT) ao projeto de lei das chamadas saidinhas, proibindo, assim, a saída temporária de presos em datas comemorativas como Natal e Páscoa.

As saidinhas eram autorizadas pela Justiça a detentos do regime semiaberto que não haviam cometido crimes hediondos com morte e atendiam a uma série de requisitos. O benefício foi extinto por deputados federais e senadores neste ano, mas vetado por Lula.

Com o veto do presidente, os detentos continuariam com o direito de deixar o sistema penitenciário em datas comemorativas. Com a derrubada, o Congresso elimina o benefício e passa a permitir a saída temporária, mediante novas regras, apenas para estudo ou trabalho externo.

Nas últimas semanas, membros do governo procuraram líderes partidários para tentar convencer os parlamentares sobre a importância da garantia. O próprio presidente chegou a afirmar a auxiliares, segundo relatos, que a manutenção do veto era prioridade na sessão desta terça.

Os ministros Alexandre Padilha (Secretaria de Relações Institucionais), Ricardo Lewandowski (Justiça) e Jorge Messias (Advocacia-Geral da União), além dos líderes do governo na Câmara, no Senado e no Congresso tinham sido escalados para a articulação.

Ao vetar o dispositivo, o governo alegou questões humanitárias e afirmou que acabar com as saidinhas deve dificultar o retorno dos detentos ao convívio social. Especialistas, defensores públicos e governos estaduais também temem rebeliões e tentativas de fuga.

Apesar dos alertas, líderes do centrão dizem que o debate foi contaminado pela polarização política. Havia especial preocupação com a opinião pública entre os deputados federais que vão disputar as eleições municipais deste ano.

Reservadamente, parlamentares da base aliada também afirmaram que a mobilização do governo foi abaixo do necessário diante da gravidade e impopularidade do tema.

O fim das saidinhas se tornou uma das pautas prioritárias do Senado após a morte do sargento da Polícia Militar de Minas Gerais Roger Dias da Cunha, baleado por um homem que estava em saída temporária em Belo Horizonte.

Em nota técnica, a DPU (Defensoria Pública da União) afirma que o fim das saidinhas estabelece um cenário de insegurança jurídica que não permite afirmar se a proibição valerá apenas para novos detentos ou para os que já cumprem pena.

A nota técnica afirma que a saída temporária é fundamental para o retorno do preso ao convívio em sociedade e destaca ainda outros problemas da legislação aprovada que não foram vetados por Lula, como a exigência do exame criminológico para progressão de regime.

A DPU aponta que o fato de a lei ter proibido a saída temporária (para estudo ou trabalho) de pessoas que cometeram crimes com violência ou grave ameaça “inclui em um mesmo universo uma quantidade muito variada de presos, em situações muito discrepantes”.

Apenas o Código Penal, afirma a DPU, faz referência ao uso da violência em mais de 80 dispositivos, que vão desde crimes como homicídio e infanticídio a crimes como os de tentativa de abolição violenta do Estado democrático de Direito e violência política.

Também na sessão desta terça, parlamentares mantiveram vetos do petista à Lei Orgânica da Polícia Militar, entre eles o que abria margem para a participação da tropa em manifestações político-partidárias.

O Congresso também manteve o veto de Lula ao trecho que destinava 20% das vagas para candidatas do sexo feminino. Na avaliação de especialistas e do governo, o percentual criava um teto para o ingresso das mulheres e permitia que elas disputassem todas as vagas apenas na área da saúde.

Compartilhe:

Últimas Notícias
Editorias

Assine nossa Newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.