Monitoramento de quelônios tem resultado positivo na região do Araguaia - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Sustentabilidade
Monitoramento de quelônios tem resultado positivo na região do Araguaia
Redação VitóriaNews
Divulgação/Ideflor-Bio

A parceria do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) com o Instituto Ambiental de Xambioá do Tocantins (IAX), idealizador do Projeto de Monitoramento de Quelônios, está rendendo resultados positivos no primeiro ano de experiência, no Parque Estadual Serra dos Martírios-Andorinhas (PESAM) e a na Área de Proteção Ambiental (APA) Araguaia.

O projeto surgiu devido a redução da quantidade de quelônios observados ao longo do Rio Araguaia com o passar dos anos, tendo como fator principal a caça predatória, tendo o objetivo de intensificar as ações, visando o aumento do número de ovos, e consequentemente, de tartarugas e tracajás devolvidos a natureza, o que foi alcançado com êxito no seu primeiro ano de parceria. As próximas etapas serão de acompanhamento e eclosão dos ovos, para posterior soltura.

O projeto existe há quatro anos, organizado pelo Sr. Alípio Carvalho Murici Filho, fundador da ONG. No final do ano de 2016, a Gerência da Região Administrativa do Araguaia (GRA/Ideflor-bio) foi procurada em busca de apoio para manter as atividades deste programa de conservação.

Este ano, a coleta de ovos iniciou-se em julho deste ano e estendeu-se até o final de setembro, totalizando 10 expedições, sendo 7 operações conjuntas de coleta de ovos de tartarugas e tracajás, e 3 rondas de fiscalização – uma delas executada pela equipe de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS).

No total, foram encontradas 45 covas de tracajás e 46 covas de tartarugas. A comunidade local possui o hábito de se alimentar não só dos ovos, mas também dos répteis em estudo. Além das ações conjuntas, outras covas também foram identificadas por alguns pescadores, da área.

A quantidade de ovos de quelônios coletados este ano, durante o monitoramento, obteve uma quantidade expressiva em comparação com o ano anterior. No ano de 2016 foram coletados 955 ovos de tartarugas. Este ano, até o momento, já foram coletados 3931 ovos, tendo um aumento de aproximadamente 4 vezes em comparação com o ano anterior. O mesmo aconteceu com os ovos de tracajá, que no ano passado foram coletados 92 ovos e este ano 509, aumentando assim praticamente 6 vezes mais.

✎Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VitóriaNews.
Notícias Relacionadas