Um quadro difícil que exige esperança - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Opinião Pública
Um quadro difícil que exige esperança
Luiz Marins
Todos nós sabemos que o quadro do Brasil está difícil. Ninguém sabe qual será e quando se dará o final desta forte crise. Mas sabemos que alguma coisa deverá acontecer e, qualquer que seja ela, esperamos que seja breve e para o bem do Brasil. Enquanto isso temos que enfrentar este momento difícil, com equilíbrio.

Temos que lembrar que o Brasil, mesmo com toda a crise, está entre as 10 maiores economias do mundo e é bom lembrar que a ONU tem 193 países membros. Assim, não podemos perder a noção de que somos um País economicamente forte, que representa mais de 40% da economia da América Latina; que o agronegócio brasileiro é moderno e pujante e que o mundo dependerá cada vez mais de nossa capacidade de produzir alimentos; que temos uma indústria (que está sofrendo muito com a crise) que tem capacidade instalada e tecnologia para se recobrar com rapidez; temos um setor de comércio e serviços ávido para que possa voltar a gerar emprego e renda. Portanto, temos condições de sair da crise com a mesma velocidade com que nela entramos.

Somos a quarta maior democracia do mundo; nossas riquezas e o nosso estoque genético - que estimula a adaptação e a tolerância - nos fazem acreditar que saberemos passar por mais esta crise, com serenidade e equilíbrio, sem violência e dentro do mais puro espírito cívico.

Vivemos não só numa época de mudança, mas num tempo de mudança de época. Um olhar atento à realidade nos mostrará que não há setor, nem ramo, nem país, nem mesmo pessoa que não esteja passando por mudanças de todo tipo e espécie. Isso nos deixa inseguros e corremos o risco de nos desesperar.
A palavra “esperança” tem sua origem em SPES no latim que tem o significado de “confiança em algo positivo”. Esta palavra latina também deu origem ao verbo SPERARE, que veio dar origem ao nosso “esperar” que em latim significava “ter esperança” e não como pensamos hoje numa atitude acomodada de aguardar que as coisas aconteçam. O perigo em perdermos a esperança (desesperançar) está em sermos conduzidos a nada mais esperar das pessoas e da vida (desesperar) e então cometermos enganos e erros dos quais poderemos nos arrepender. É preciso acreditar que por maiores que sejam as dificuldades sempre haverá uma saída. E essa saída será mais facilmente encontrada se tivermos confiança, serenidade, equilíbrio, paciência e mesmo gratidão pelas coisas boas que ainda nos restaram, ou seja, se não nos desesperançarmos.

O desespero quase sempre nos faz cegos e como cegos não conseguiremos ver e, portanto, encontrar a solução e a saída para os problemas que, muitas vezes, estão mais próximas de nós do que imaginamos. O desespero nos leva ao ódio, à vingança, enquanto a esperança nos conduz à compaixão, à gratidão e ao tão propalado amor. No desespero queremos resolver tudo por nós mesmos pois perdemos a confiança, nos afastamos das pessoas e nos sentimos vítimas do mundo.

A esperança nos faz confiar, acreditar, agradecer e essas virtudes nos farão encontrar as oportunidades e as pessoas que nos ajudarão a encontrar a saída.
Pense nisso. Sucesso!