Brilhante é quem pergunta - Vitória News
Vitória News
Olá. Detectamos que você está usando o Internet Explorer ou o Edge.

Nosso site é compativel somente com os navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari ou Opera.

Use um desses navegadores caso já tenha instalado em seu dispositivo ou faça o download clicando no botão abaixo. Você será redirecionado para uma página onde poderá escolher o navegador que desejar e ele será baixado diretamente de sua página oficial de forma segura.
Clique aqui para atualizar o seu navegador
Opinião Pública
Brilhante é quem pergunta
Luiz Marins
Há um grande engano quando se pensa que uma pessoa brilhante é aquela que tem respostas para tudo. Na verdade, brilhante é quem pergunta, pois existem mais respostas erradas do que perguntas erradas.
É uma pena que nós, brasileiros, não sejamos educados a perguntar. A maioria das pessoas tem vergonha de perguntar e com isso deixam de mostrar o quanto são inteligentes e brilhantes. Não sei de onde veio a ideia de que quem pergunta é ignorante. A verdade é quem não pergunta é que viverá na ignorância e não o contrário.
Quando mães falam de suas crianças de quatro anos, por exemplo, dizem que elas são “muito inteligentes” exatamente porque “perguntam tudo; querem saber tudo”. E porque perguntam são inteligentes. Essa é uma grande sabedoria! O que questiono é o que aconteceu no meio do caminho para que quando essas mesmas crianças quando adultas sejam consideradas pouco inteligentes quando perguntam? É preciso que fique claro que o maior sinal de uma pessoa inteligente é a sua vontade de saber e, portanto, de não ter vergonha ou medo de perguntar.
Meu mais recente e trigésimo livro tem como título “73+1 Perguntas sobre Liderança, Gestão, Marketing, Vendas, Motivação e Sucesso” publicado pela Editora Integrare. Nele eu faço uma homenagem às pessoas e às brilhantes perguntas que me fazem sobre esses temas. São perguntas muito inteligentes! Na minha opinião, o livro vale mais pelas perguntas do que pelas respostas que procurei dar às 73 perguntas que mais me fazem. A 74a. pergunta deixei para o leitor fazer (daí o título 73+1 perguntas) e eu procurarei responder àqueles que me escreverem. Fiz isso para estimular no leitor brasileiro o hábito de perguntar, questionar, cismar, inquirir, debater e com isso perder o medo de aprender pois é só assim que se aprende e se cresce no conhecimento e na ciência.
Quantas pessoas eu conheço que não sabem alguma coisa que gostariam de saber e, de medo ou vergonha de perguntar vivem na ignorância! Não seja assim. Pergunte! Lembre-se que brilhante é quem pergunta!
Pense nisso. Sucesso!