Geral

Após 5 anos refém de terroristas, família dos EUA é resgatada

Por Folhapress
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma americana, seu marido canadense e seus três filhos foram resgatados por tropas paquistanesas após passarem cinco anos como reféns de terroristas ligados ao Talibã. O casal havia sido sequestrado durante uma viagem a uma região montanhosa próxima a Cabul, capital do Afeganistão, em 2012.

Caitlan Coleman estava grávida quando foi capturada pela rede terrorista Haqqani. Seus três filhos nasceram durante o cativeiro.

Na quarta-feira (11), as agências de inteligência americanas tomaram conhecimento de que a família seria transportada para uma região tribal no noroeste do Paquistão, próxima à fronteira com o Afeganistão. A informação foi repassada às forças armadas paquistanesas, que realizaram o resgate.

Autoridades paquistanesas informaram que os reféns foram resgatados com segurança e que eles serão repatriados para seu país.

Em meados de 2012, o casal partiu em uma viagem que passou pela Rússia, por países da Ásia Central como Cazaquistão, Tadjiquistão e Quirguistão e por fim ao Afeganistão.

Os pais de Coleman, Jim and Lyn Coleman, tiveram notícias de seu genro pela última vez em 8 de outubro de 2012, quando ele teve acesso à internet em uma região do Afeganistão que descreveu como "insegura".

Em 2013, o casal apareceu em dois vídeos pedindo para o governo americano que os libertassem do Talibã.

Em uma entrevista em julho de 2016 à agência de notícias Circa News, os pais de Coleman afirmaram que haviam recebido uma carta de sua filha em novembro do ano anterior, na qual ela contava que havia dado à luz um segundo filho no cativeiro.

Não se sabe se os avós tomaram conhecimento do nascimento do terceiro filho.

"Eu rezo para ter notícias de vocês, para saber como vai a vida de todo mundo", Caitlan Coleman escreveu.

Na entrevista, Jim Coleman apelou aos comandantes do Talibã para que fossem "bons e misericordiosos" e libertassem o casal.

"Como um homem, como um pai e, agora, como um avô, peço que vocês demonstrem clemência e libertem minha filha, seu marido e nossos lindos netos. Por favor, lhes dê a oportunidade de continuar suas vidas conosco", disse.

A rede Haqqani é considerada um grupo terrorista pelos Estados Unidos, mas ela também opera de forma similar a uma quadrilha. Diferentemente da milícia Estado Islâmico, os Haqqani não costumam executar os reféns ocidentais, preferindo pedir resgates em dinheiro.

Em um comunicado divulgado nesta quinta-feira (12), o Exército americano não informou quando a família foi libertada dos terroristas, mas afirmou que "o sucesso [da operação] ressalta a importância do compartilhamento tempestivo de informações de segurança e também o compromisso do Paquistão de lutar contra essa ameaça comum através da cooperação ".

Os Estados Unidos têm criticado o Paquistão por não combater agressivamente os Haqqani, que estiveram por trás de vários ataques no Afeganistão contra os Estados Unidos e seus aliados.