Esportes

Corintianos buscaram conflito ao redor de estádio, afirma delegado

Por Folhapress
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Torcedores de Coritiba e Corinthians entraram em conflito neste domingo (18), em Curitiba, horas antes da partida entre as equipes pelo Campeonato Brasileiro. De acordo com a Polícia Civil do Paraná, ao menos seis corintianos ficaram feridos.

Segundo o delegado Clóvis Galvão, responsável pela investigação, três ônibus que transportavam corintianos teriam ignorado a escolta policial com a intenção de provocar o conflito nos arredores do estádio Couto Pereira.

"Eles estavam mal-intencionados. Fizemos contato com torcidas organizadas do Corinthians. Esse grupo veio mais cedo, com esse intuito. Eles queriam o enfrentamento", disse o delegado

As autoridades afirmaram que os corintianos envolvidos não eram de organizadas.

A Polícia Civil anunciou inicialmente que um corintiano, Jonathan José Gomes da Silva, 29, teria morrido.

O órgão, depois, corrigiu a informação e afirmou que Gomes da Silva teria sido internado em estado "gravíssimo". Durante a tarde, porém, o torcedor recebeu alta, segundo a Polícia Civil e a Secretaria de Saúde do Paraná.

A Polícia Civil diz ter identificado identificado quatro suspeitos de agressão. Um deles, João Carlos de Paula, 24, foi preso neste domingo.

Membro da organizada Império Alviverde, ele teria confessado o crime, segundo a polícia, e responderá por tentativa de homicídio. Seu advogado nega que tenha ocorrido a confissão. A pena pode variar de oito a 20 anos.

Um vídeo que circulou nas redes sociais mostra um ônibus com corintianos trafegando lentamente pelos arredores do estádio. A 250 metros dali está loja da torcida Império Alviverde.

Estirado sobre o asfalto, Gomes da Silva foi espancado por mais de 30 segundos, até a chegada de policiais.

O 12º Batalhão de Polícia Militar paranaense afirmou ter escoltado 46 ônibus com torcedores corintianos.

A briga interferiu na logística do Corinthians, que, atrasado, não perfilou para ouvir o Hino Nacional.

Em campo, placar de 0 a 0. Fábio Carille, o treinador corintiano, disse que o time estava "desconcentrado". Lamentou ainda o ato de violência."Isso mancha o futebol brasileiro", disse.